5 dicas para fazer um currículo simples e objetivo

Você é designer, programador, publicitário ou de outra área de comunicação e precisa fazer um currículo? Confira dicas e faça um CV profissional.

Se você está começando na área, fazer um currículo será seu primeiro desafio. Além de você não ter muitas informações para colocar em seu CV, certamente você ainda terá dúvidas sobre como escrever o currículo.

Abaixo, cito algumas dicas que tenho para quem está entrando na área de comunicação (design, publicidade, web etc). Se você é de outras áreas, como humanas, provavelmente esse modelo de currículo não servirá pra você (e eu também não vou saber como te ajudar pois não sou da área). Ainda assim, algumas dicas podem ser válidas.

Vamos lá!

» Siga-me no twitter e assine a newsletter para ler mais novidades!

Primeiramente, defina seu foco

fazer um curriculo

Fazer um curriculo é definir sua carreira profissional.

Antes de fazer um currículo, defina o que você quer ser/fazer.

Recebo muitos emails e comentários de estudantes que querem ser tudo: web designers, designers gráficos, programadores etc. A não ser que você seja um gênio ou tenha muito tempo disponível, é praticamente impossível dominar mais de uma área. Com a tecnologia de hoje em dia até não é muito difícil dominar duas áreas, mas certamente uma das duas irá se sobrepor – por exemplo, eu sou web designer e desenvolvedor front-end, mas a última área é a que eu mais domino (poderia dominar mais se eu não tivesse estudado e trabalhado como web designer). Também tenho conhecimentos em Publicidade, inclusive estou me graduando nessa área, mas não pretendo segui-la: apenas estou absorvendo conhecimento da área para utilizar em meu trabalho, afinal, web faz parte da publicidade e publicidade faz parte de tudo. Quem trabalha com web hoje em dia cada vez mais está próximo do chamado Marketing Digital.

Resumindo: foque em o que você faz de melhor (ou mais gosta), mas não deixe de buscar por conhecimentos complementares (até porque é bem comum encontrar empresas que querem contratar funcionários que fazem de tudo e não se importem em ganhar pouco por isso). Só não tente fazer tudo de uma vez, porque aí você não será um profissional – será um quebra-galho.

Na primeira vez em que eu estava procurando emprego, encontrei uma empresa que tinha 3 vagas distintas muito bacanas, então me candidatei pras três. O resultado: além de não ser chamado pra uma entrevista de emprego pra nenhuma dessas vagas, ainda recebi um email do RH da empresa que, resumidamente, dizia “não entendemos qual é seu foco”. Pois é.

5 dicas: Como fazer um currículo

Tendo seu foco em vista, é hora de colocar tudo no papel! E uma página já é o bastante. Lembrando: a ideia é ser simples e objetivo. Por quê? Bom, imagine que o responsável por fazer seleção de candidatos para a vaga verá dezenas, ou até centenas de currículos em um curto intervalo de tempo. Pode ter certeza de que quanto maior seu currículo, proporcionalmente menos informações ele lerá. Digo isso por experiência própria dos dois lados (já fui o selecionado/entrevistado e já fui o selecionador/entrevistador).

entrevista de emprego

Seu currículo estará presente na entrevista de emprego.

Essa área é muito dinâmica, o tempo é muito curto pra tudo. E outra, realmente não há necessidade de escrever muitas informações em um currículo. Veja abaixo (se quiser, utilize meu currículo como exemplo):

1. Informações pessoais necessárias

Nome, sexo, idade, endereço e contatos. Isso já é o bastante. Alguns dizem que idade é opcional, eu já acho importante. Não é que por ser mais velho você terá menos chance de encontrar um emprego nessa área, mas eventualmente a empresa pode estar com uma ideia de faixa-etária em mente. Estado civil e foto a meu ver são opcionais.

2. Seus objetivos e características

Antes de fazer um currículo você tem que definir o que quer ser/fazer, lembra? Então aqui vai ser fácil. Não escreva uma redação, uma lista simples já é o bastante: diga qual área você quer seguir e quais são suas características. Agora, cá entre nós? Use os clichês a seu favor. Por exemplo, dizer que você é pró-ativo é um clichê… mas se eu estivesse selecionando currículos, isso seria um ponto a mais. Por quê? Bom, uma das piores coisas que podem acontecer a uma empresa é ter profissionais que precisam de alguém falando a todo momento o que eles devem fazer. Se você sabe qual é o seu lugar na empresa e o que você deve fazer, não espere ordens – vá lá e faça. Isso é ser pró-ativo. E se você é de verdade, parabéns! Infelizmente essa característica deveria ser a obrigação de todos os profissionais, mas tem sido um diferencial. “Cumprir prazos” é outro clichê que considero como ponto positivo. Apenas explicando, esses exemplos são clichês porque teoricamente todo profissional devia segui-los por padrão. Conforme acabei de dizer, não é o que acontece.

3. Experiência e histórico profissional

Onde você já trabalhou, em qual período e o que você fez lá? Mas não esqueça de seu foco: eu, por exemplo, já trabalhei em uma marcenaria antes de ter uma formação profissional. Por que eu colocaria isso em meu currículo se não estou procurando emprego em marcenarias? Além disso, nessa parte do currículo há uma grande pegadinha que passa despercebida: vamos supor que você passou por um período de experiência (normalmente de 3 a 6 meses) em 5 empregos diferentes nos últimos 2 anos. Quando a empresa vir seu curriculum, vai achar que você não para quieto em um emprego e já irá te descartar. Então, especifique que foram períodos de experiência, e dessas 5 empresas você ainda pode selecionar apenas 2 ou 3 que considerar mais relevantes para sua carreira. Pode ser que desses 5, em 4 você estava desesperado em busca de emprego e aceitou o primeiro que surgiu. Não precisa colocar isso em seu currículo, então.

4. Seus conhecimentos

Onde e o que você estudou e/ou estuda até hoje? Quais softwares você sabe utilizar e qual seu grau de conhecimento com cada um? Você sabe outras línguas? Escreva tudo o que você sabe e que seja relevante pra sua área de interesse e para a empresa!

5. Defina um formato

Menos é mais. Eu, mesmo sendo designer, sempre fiz currículos simples: fundo branco, formato de lista, nada demais. Já vi muitos currículos bem bonitos, com fundo personalizado, imagens, ícones e até gráficos. Isso é bem legal, mas deixe para seu portfolio. Muitas empresas imprimem os currículos para utilizá-los na hora da entrevista. Pense nisso quando for fazer um currículo.

Bônus: não minta. Seja você mesmo!

Nem acredito que estou escrevendo isso, mas por experiência própria não posso deixar passar: se você acha que mentir na melhor das intenções (o clássico “vou falar X e se engolirem corro atrás pra aprender”) vai ser bom para ser contratado, prepare-se para uma experiência profissional traumatizante e que poderá te queimar no mercado. Já contratei um profissional que disse ter feito projetos lindos (e nos mostrou tais projetos). No final do primeiro mês de experiência toda a agência já “olhava torto” pra ele, pois o que ele produzia era muito inferior ao que ele mostrou. O chefe e os clientes já estavam impacientes, e esse “profissional” vivia levando bronca. No segundo mês ele foi demitido.

Em minha segunda entrevista de emprego, perdi as contas de quantas vezes disse “não sei fazer isso, mas vou dar uma pesquisada” e coisas do tipo. Assim que cheguei em casa pesquisei tudo e mandei um email para o entrevistador com minha pesquisa e tudo o que eu poderia fazer e/ou iria aprender. Fui contratado. Não tem segredo: seja você mesmo, porque não adianta no papel você passar uma imagem e, ao ser contratado, não seguir essa imagem. Por exemplo, em todo o currículo falei de forma séria e objetiva, e no final dele escrevi que sou goleiro. É uma forma de descontração, até porque eu sempre busquei por locais de trabalhos descontraídos. Não estou dizendo pra você escrever piadas no final de seu currículo, só estou dizendo: seja você mesmo.

Se preciso, faça mais de um currículo

Seguindo essas cinco dicas você terá seu currículo profissional. Mas quando você estiver procurando por um emprego, você irá encontrar empresas com perfis diferentes. Por que não fazer um currículo para cada uma dessas empresas?

Eventualmente pra uma das empresas você vai poder escrever alguns de seus conhecimentos complementares. Por exemplo, quando empresas de arquitetura me procuram para elaboração de orçamento de um site, costumo dizer que já trabalhei em uma marcenaria – nesse caso há contexto, porque eu demonstro que também estou envolvido na área do cliente.

Agora procure por emprego!

procurar emprego

Não escolha qualquer um. Procure o emprego ideal pra você!

Tenho quase certeza de que você fez o inverso: procurou por emprego e agora está fazendo um currículo para enviar. É sempre assim, a gente vai adiando o processo de fazer um currículo até chegar uma oportunidade, daí vem aquela correria.

Fazer um currículo é uma tarefa chata mas que não precisa demandar muito tempo. Como eu disse, seja simples e objetivo. Use o resto do tempo buscando mais conhecimento e experiência para manter seu currículo sempre atualizado!