Como melhorar o SEO de seu site visando subir nas buscas

Quer saber como otimizar ainda mais seu site? Saiba como é feito um trabalho de SEO e siga os passos para ter um site melhor indexado.

A primeira coisa que eu sempre falo sobre esse assunto é: SEO não é uma ciência exata. Há uma “cartilha” a ser seguida para fazer com que seu site fique otimizado, mas não há garantias de que ele será o primeiro nas buscas.

Claro, a intenção sempre vai ser subir nas buscas. O foco do trabalho é justamente esse. O fato é que, mesmo seguindo todas as recomendações ao pé da letra, não há como dizer que seu site será um dos primeiros a curto, médio ou longo prazo. Se alguém tentar te vender isso, não acredite.

Podemos comparar SEO a ir numa academia, por exemplo. Você entra em uma com uma meta (como emagrecer), e, mesmo que se esforce diariamente por lá, também não há como ter certeza de que conseguirá atingir seu objetivo. Há outros fatores envolvidos também, como saúde, alimentação, metabolismo, motivação, além de imprevistos.

E se você parar de ir na academia, já sabe o que acontece.

E olha que na malhação você não tem concorrentes (normalmente não). Em SEO sempre vai ter alguma outra empresa fazendo de tudo tentar ser o primeiro nas buscas também, e é impossível ter controle sobre isso.

A ideia desse post, então, é comentar os pontos principais dessa tal “cartilha de SEO” de maneira mais resumida e didática possível. Assim é possível ter uma visão maior sobre o trabalho envolvido, além de ver que não há milagre ou atalhos. E, acredite, o que está por aqui é meio que o básico de SEO. E ainda poderia ter mais conteúdo, mas aí eu teria que escrever um livro.

Faça seu alongamento e vamos em frente!

Revise e valide o código

A meu ver o primeiro passo de todos é “arrumar a casa”. É preciso fazer uma revisão de todo o código do seu site. Do front ao back-end.

Afinal, além de certificar-se de que o código front-end segue as recomendações do Google, é preciso ver se não há nada obsoleto ou não funcionando como deveria na programação do site também.

Todo o código deve estar validado para garantir desempenho, segurança, acessibilidade e, é claro, otimização.

printscreen de resultado no google lighthouse
Um exemplo de validação do meu site no Google Lighthouse.

Validação: Google Lighthouse

Não gosto de inventar muito. Pra mim, a validação ideal é a do Google Lighthouse. Até porque é do Google, que é basicamente o motivo para fazer um SEO bem feito, né?!

O PageSpeed Insights já foi a melhor opção, mas hoje é muito básica. Para testes de velocidade, sugiro o Think With Google.

Bom, através do Lighthouse é possível ter uma validação bem completa do seu site e saber exatamente o que pode ser feito para melhorar as coisas.

Você não precisa seguir tudo exatamente ao pé da letra. Algumas coisas ainda estão em testes, e outras são um pouco exageradas.

Implemente melhorias

Além de resolver problemas em seu código e deixá-lo moderno, por que não adicionar mais melhorias?

Dados estruturados, técnicas ARIA, lazyload, breadcrumbs, AMP… há uma infinidade de tecnologias que só tendem a trazer melhorias para o seu projeto pensando em seus usuários.

Revise e reescreva seu conteúdo

Será que todo o conteúdo do seu site é realmente útil? Essa pergunta pode machucar, mas deve ser feita e levada a sério.

Posts desatualizados, links quebrados, imagens com resolução ruim, estrutura do texto bagunçada por conta de uma mudança de template… não deixe passar nada!

printscreen do google analytics
Um exemplo dos conteúdos semelhantes de um site fictício no Google Analtics (Comportamento > Conteúdo do site > Todas as páginas)

Faça a fusão de posts semelhantes

Se você tem mais de um texto sobre determinado assunto ou palavra chave, veja a viabilidade de fazer uma fusão. Ou seja, crie um “mega post”.

Vale mais a pena centralizar tudo em um único post a diluir o conteúdo em pequenos posts que passam a não ter o mesmo potencial. Então, reúna tudo em um post só (de preferência o com melhor indexação) e faça para ele um redirect 301 dos posts que serão removidos.

Claro, não exagere: às vezes é realmente necessário ter mais de um post sobre um tema. Por exemplo, se você fala sobre decoração para festas, pode ter um post sobre festas infantis, outro sobre festas de aniversário e por aí vai.

Então, aqui o que vale é o bom senso na hora de reunir o conteúdo!

Remova conteúdos obsoletos ou fora do contexto

Pode ser que você tenha mudado o foco do seu site recentemente, mas esqueceu de remover textos que passaram a não fazer mais sentido para seu negócio.

Ou então há alguns anos você falou sobre algum app que não existe mais, mas o seu post ainda está no ar.

Aqui há duas opções:

  1. Atualizar o conteúdo para que ele passe a fazer sentido / ser atual;
  2. Removê-lo e criar um redirect 301 para algum texto semelhante ou apontar erro 410 (deletado permanentemente).

Há alguns casos em que o conteúdo não deve ser alterado de forma alguma. Notícias, por exemplo, podem ter uma nota de atualização – mas não faz sentido alterar o texto inteiro por ser uma notícia velha.

Alguns conteúdos são datados e outros não. Tudo depende do seu modelo de negócio.

Configure redirects e erros

Como você pode ver acima, já comentei sobre alguns tipos de redirect. O 301 é para avisar que uma url foi alterada de maneira permanente para outro endereço. Há também o 302, que indica que a url foi alterada de maneira temporária. É uma boa opção se você vai testar alguma fusão de conteúdos.

Evite erros 404 com todas as forças. Caso você tenha deletado algo que não será substituído de forma alguma, configure um erro 410 em seu servidor para essa url. Isso informará o Google que a url foi deletada de maneira permanente.

erro 404
Erro 404: evite com todas as forças!

Valide links quebrados

Veja se seus textos estão com links quebrados – tanto internos quanto externos.

Isso pode te inspirar a criar novos conteúdos. Por exemplo, se você apontou um link externo para um texto que não existe mais, poderá escrever sobre o assunto e assim atualizar o link, mantendo os visitantes em seu site.

Deixar os links sempre funcionais é uma forma de avisar para o Google que você, no mínimo, não abandonou seu site.

Crie novos conteúdos

Como disse acima, links quebrados podem te inspirar a criar novos conteúdos.

De qualquer forma, como você já irá revisar textos antigos, veja se há algum tema que possa ser melhor elaborado. Verifique também as buscas por palavras-chave em seu site (recomendo o Google Search Console para isso) e invista em mais conteúdos sobre esses assuntos.

No Google Analytics, por exemplo, você pode checar o que é mais acessado e o que é pouco (ou nada) visualizado. Isso te dará mais ideias de conteúdo, além de mostrar o que pode ser melhorado ou removido de vez.

Tente melhorar o desempenho do seu site

O primeiro item deste post já vai ajudar bastante com o desempenho. Mas só minificar seu código, por exemplo, além de remover scripts em excesso, não é o suficiente.

Se você trabalha com anúncios em seu site, faça um teste: remova parte dos anúncios. Você vai ver que o desempenho vai melhorar bastante.

Infelizmente não é possível (ainda) lidar com otimização de scripts externos. Então, sempre que possível, evite-os ao máximo.

Por fim, é obrigatório ter um cache bom e bem configurado.

printscreen do tinypng
Fazer uma otimização / compressão de imagens pode trazer resultados impressionantes.

Imagens (bem) mais leves

Já escrevi um texto sobre otimização de imagens por aqui. Acreditem, é impressionante como há imagens pesadas até mesmo em sites mais simples. E sem necessidade alguma!

Quando me pedem um orçamento para melhorar o desempenho de um site, a primeira coisa que eu verifico é o tamanho das imagens. E não dá outra: elas quase sempre são as maiores culpadas. Perdem apenas para scripts externos de anúncios e redes sociais.

Um caso real: um cliente me pediu para fazer algumas melhorias no site dele. Fui ver e logo na home havia cinco imagens com mais de 1MB. Peguei a mais pesada, de 1,5MB, e fiz uma otimização.

Sua largura e altura eram de 1080x1080px, mas no site ela estava sendo utilizada com as medidas de 316x316px – menos que 1/3 do tamanho original. Então, redimensionei para o tamanho adequado e fiz uma compressão da imagem.

O resultado? A imagem ficou com 185kb. Cerca de 17% do peso da imagem original, e sem perder qualidade.

Trabalhar as imagens pode fazer muita diferença. Também é preciso saber qual é a extensão adequada para salvar cada tipo de imagem, porque não é qualquer coisa que pode ser salva como PNG ou JPG.

Hospedagem também conta

Antes de mais nada, não caia no conto da hospedagem que garante ganhos de SEO. Não é bem assim que funciona: na verdade, pode ocorrer o oposto.

Por exemplo, as hospedagens mais famosas, como aquela meio louca, ou aquela do universo, assim como aquela do jacaré, praticam overselling. Ou seja, centenas (ou até mesmo milhares) de sites ocupando o mesmo servidor.

O resultado disso é um serviço lento, instável e inseguro. No mínimo.

Na maioria das vezes (ou seja, quando não é alguma pegadinha), quando uma hospedagem promete ganhos de SEO é porque ela não está fazendo mais do que a obrigação. Não pratica overselling, trabalha com configurações e recursos razoáveis, modernos e atualizados.

Ou seja, se você está numa hospedagem dessas mais baratas, é certeza de que o SEO de seu site está sendo afetado de alguma forma.

Hospedagem também é investimento. E pra aumentar seus ganhos, é preciso investir com qualidade. Se você quer minha indicação, são três: PortoFácil, WOWF e Via Hospedagem.

Fique atento com links tóxicos

Você já ouviu falar que receber links para seu site é uma boa estratégia para SEO, certo? Mas você sabia que alguns links podem acabar comprometendo seu trabalho?

Links tóxicos normalmente são feitos por sites de conteúdo adulto ou criminoso, como downloads ilegais e pirataria em geral (warez), além de sites de apostas, golpes (scam) e até mesmo fóruns.

A lista pode ser bem maior já que, basicamente, link tóxico é todo link não-natural, inseguro e de um domínio com alto índice de spam. Mas é fato que essas descrições são encontradas mais facilmente nas categorias acima.

Por fim, verifique se você também não está linkando algum site com esse perfil. Afinal, quando você linka um site, o Google entende que você está recomendando-o. “Diga-me com quem tu andas…”

Por isso aquela revisão de posts que comentei acima é importante. Alguns sites podem ser abandonados e terem seu domínio apontado para sites tóxicos.

printscreen de domínios tóxicos no semrush
Um exemplo de backlinks no SEMrush para um site fictício.

Verifique seu Search Console

No painel do Google Search Console é possível verificar todos os domínios que estão linkando o seu site. Aqui você deve verificar domínio a domínio, e já separar todos os mais tóxicos para pedir um bloqueio.

Não recomendo que você acesse os sites suspeitos para confirmar se são mesmo tóxicos, porque você pode acabar pegando algum vírus ou coisa do tipo. Digite o domínio no google e veja qual é o tipo de conteúdo e se há alguém falando mal sobre o site.

Mas não saia bloqueando tudo o que você considerar como suspeito, porque isso pode acabar te prejudicando também.

Na dúvida, use o SEMrush

Na ferramenta do SEMrush é possível identificar quais backlinks são realmente tóxicos e quais são suspeitos (esses devem ser analisados com cuidado).

É preciso assinar um plano para utilizar a ferramenta.

Link building sem forçar a barra

O Google não gosta nem um pouco de práticas de troca e compra de links. Na verdade, link building no geral deve ser evitado, já que não é algo feito de maneira natural.

Bom, isso a grande maioria das vezes.

A grande verdade é que não há problema algum em receber links. Isso só tem que ocorrer da forma mais natural possível.

Por exemplo, um site de notícias é constantemente linkado como fonte em outros sites e blogs. Isso é um tipo de link natural, e ainda traz benefícios para quem linka: afinal, quem escreveu o texto está passando todas as informações possíveis para o leitor. Isso também é importante para SEO, já que deixa o conteúdo mais completo.

Quando eu cito “link building sem forçar a barra”, tenha isso em mente. Tem que fazer sentido pro conteúdo em questão, tem que haver contexto. Se um blog sobre gadgets linka um texto sobre vacas nelore, há algo bem suspeito nisso aí. Então, o Google pode interpretar como spam.

Reciprocidade entre domínios (ou seja, troca de links) é algo bem arriscado também. Afinal, fica muito na cara o que está acontecendo. Assim como posts comprados que dão a impressão de terem sido, de fato, comprados.

No geral, link building é algo que deve ser feito com muito cuidado. Mas quando feito da maneira certa, só traz benefícios.

pessoa escrevendo guest post
Guest posts feitos com cuidado e conteúdo relevante podem ser uma ótima estratégia.

Crie guest posts relevantes

Sabe aqueles textos sem contexto que você apagou do seu site? Talvez eles sejam úteis para outros sites.

Um exemplo: eu tenho um blog sobre dicas de estudo. Tive a ideia de escrever um texto sobre investimentos para estudantes, mas o texto ficou com um teor muito mais voltado a finanças, algo fora do contexto do blog.

Posso, então, procurar um blog sobre finanças e oferecer esse post para que eles publiquem por lá. No texto haverá algum link com contexto para um conteúdo do seu blog – por exemplo, um texto sobre quanto um estudante de determinada área gasta mensalmente, em média, com estudos (compra de livros, cursos etc).

Dessa forma você está gerando conteúdo relevante. É isso o que importa: entregar algo bom e útil para o leitor. E se ele quiser saber mais sobre o assunto, há links com conteúdo complementar nesse texto.

Essa é uma ideia entre várias possibilidades de guest posts. É só não forçar a barra.

Não se esqueça de linkar também

Aqui não estou falando de troca de links, mas sim de divulgar links externos relevantes para o seu conteúdo.

É importante complementar seu conteúdo sempre que possível. Quanto mais orgânico, natural, melhor. Então, se seu visitante acessa seu texto e encontra exatamente o que quer, mesmo que seja em um link para outro site, você já ganhou pontos.

E o Google está cada vez mais orgânico, focando em qualidade de conteúdo e no usuário.

E esses links podem ser muito naturais. Por exemplo, se você for citar alguma estatística, linke a pesquisa original. Se citar algum serviço, linke o site.

Repare como esse assunto vai de encontro com os outros dois citados acima. E é assim: se você criar conteúdos relevantes e completos, as chances de você ser linkado naturalmente como fonte, por exemplo, são maiores.

SEO é um trabalho constante

Se engana quem pensa que SEO é um trabalho a ser feito uma vez só e pronto. Bom, acho que nem preciso argumentar: basta ver acima que basicamente todas as dicas envolvem trabalhos constantes.

Atualização de conteúdo, novas tecnologias, mudanças de algoritmo… seu SEO pode ficar pra trás em alguns dias. Literalmente!

pessoa fazendo busca no google no smartphone
O Google recebe atualizações constantes de algoritmo. Além disso, as tendências mudam também. É preciso acompanhar!

Ferramentas para acompanhamento

Já citei todas acima, mas vale o resumo:

  • Lighthouse: Verificação do código, acessibilidade e desempenho;
  • Think With Google: Teste de velocidade e desempenho do site;
  • Google Search Console: Acompanhamento do seu site no Google (links, indexação, palavras-chave etc);
  • Google Analytics: Estatísticas de acessos em seu site;
  • SEMrush: Relatório completo e diagnóstico do seu site, além de comparação com concorrentes.

Conteúdo sempre em dia

Reforço o que já foi dito na parte de revisão: Mantenha seu conteúdo sempre atualizado!

Atualize os posts antigos, remova ou faça fusão de conteúdos, verifique os redirects e erros, valide links e crie novos conteúdos.

Contrate uma empresa especializada em SEO

Tentei deixar as dicas acima bem didáticas, mas boa parte delas são bem técnicas. O ideal, então, é que você procure um profissional. Até porque SEO é algo um tanto quanto sensível, e uma coisa feita da maneira errada pode prejudicar seu projeto de maneira quase (ou totalmente) irreversível.

Lembre-se: isso é um investimento.

ilustração de um foguete com os dizeres SEO
Vai ficar muito clichê se eu fizer algum trocadilho aqui sobre seu site decolar?

Não espere por milagres e tenha cuidado com promessas

Se alguém te prometer a primeira página do Google, fuja. É golpe!

SEO não é uma ciência exata, portanto não é possível garantir que com o trabalho de otimização seu site ficará em primeiro lugar nas buscas. A não ser com o Google Adwords, mas isso não é SEO.

Uma empresa pode até estimar uma porcentagem de ganho após uma análise em seu site, mas ainda assim é algo impreciso. Depende de vários fatores, e não há controle sob boa parte deles: concorrentes.

Na hora de contratar um profissional ou uma agência, atente-se ao trabalho que será feito, não a promessas.

Como melhorar o SEO de seu site de maneira profissional

A dica, além de contratar um profissional, é se especializar em conteúdo caso seja você quem cuide das atualizações do site.

Agências de SEO costumam cobrar um valor que, na maioria das vezes, é considerado elevado. Isso porque é um trabalho especializado e cheio de detalhes.

Eu trabalho com SEO – meu foco não é com conteúdo (só escrevo em meus blogs), então não elaboro estratégias com palavras-chave e coisas do tipo. Mas otimização, performance, usabilidade, acessibilidade, dentre outros (o que envolve código, design e servidor), é comigo mesmo.

Vamos conversar?

Não é permitida a reprodução integral desse conteúdo. A cópia pode ser ruim para você!

Do que você está precisando?

Um site novo? Suporte para WordPress? Criação de logo? Outra coisa? Fale comigo!

Quero um orçamento

Leia também...

...alguns textos que têm a ver com o assunto:

5 plugins de WordPress indispensáveis

Quais plugins de WordPress usar? Confira 5 dicas de plugins indispensáveis e deixe seu WordPress ainda melhor!

Hospedagem de sites – WOWF

Conheça meu trabalho na hospedagem de sites WOWF: Criação de logo, design responsivo, desenvolvimento front-end e programação WordPress!

Repaginação: Criação e desenvolvimento de site  – PortoFácil

Veja meu trabalho no redesign do site de hospedagem PortoFácil. Logo, design, desenvolvimento front-end e WordPress.

Deixe seu comentário

Se você deseja um orçamento, entre em contato clicando aqui.

Quero um orçamento