Dicas para quem quer aprender front-end

Quer aprender front-end? Saiba mais sobre a profissão e confira algumas dicas para você que está começando agora e quer ser um desenvolvedor front-end!

  • Facebook
  • Twitter
  • Whatsapp

Decidiu se tornar um profissional front-ender? Ótimo! As boas novas é que aprender front-end não é tão complicado – bom, pode até ser, mas é tão divertido que você nem percebe. Tá, sou suspeito a falar porque gosto muito da minha profissão. Como já dizia Confúcio:

Escolha um trabalho que você ama e você nunca terá que trabalhar um dia sequer na vida.

Vamos manter contato?

Assine a newsletter do blog preenchendo o formulário!
Se precisar de algo, solicite um orçamento. É sem compromisso!
Se não quiser nada disso, sem problemas! Continue lendo o post abaixo :D

O que é front-end?

aprender front end

Com o que um profissional de frontend trabalha?

Vou tentar explicar de maneira bem básica.

Se você é novo na área, saiba que existem dois tipos de código: o front-end (client-side) e o back-end (server-side). A diferença entre os dois está justamente nos parênteses – o front-end é uma linguagem voltada para o navegador, que “monta” o design do site, trabalha os efeitos visuais e tudo mais. O back-end é uma linguagem que o servidor entende, o que está mais voltado às ações do usuário com funcionalidades do site (como o cadastro em um site ou a compra de um produto).

Antigamente, normalmente o web designer (ou web master) era responsável não só pelo design do site, mas também pelo desenvolvimento dele – outras aplicações mais “complexas” eram responsabilidade do programador. Com a evolução das tecnologias, as tarefas foram melhor divididas, até porque cada profissional passou a ter um foco mais específico em vez de ser um faz-tudo (mas não se engane: os faz-tudo ainda existem e sempre existirão – eu que o diga!). Daí os “novos” termos: front-ender, back-ender, desiger UX e por aí vai.

Leia também: O que é Front-End e Back-End?

O que faz um front-ender?

Também de maneira básica: faz o PSD funcionar no navegador. Claro, é bem mais complexo que isso, mas esse é o resumo – como dito acima, o front-ender é o profissional que trabalha essencialmente com o visual, com o que o cliente vê. Se você ainda tiver dúvidas, confira o link acima.

Para isso, os códigos utilizados normalmente são HTML, CSS e JavaScript. Há diversos frameworks, libraries, ferramentas e softwares que não só facilitam mas contribuem com o trabalho de um desenvolvedor front-end, como Gulp, SASS, Normalize.css, JQuery, GIT, Sublime Text e muito mais.

Além disso, é essencial que o profissional tenha conhecimentos com Photoshop e Illustrator, já que precisará não só fatiar os layouts, mas eventualmente otimizar ou recortar algumas imagens e ícones. Também é bacana entender conceitos básicos de PHP e até outras linguagens de programação, tendo em vista eventuais manutenções em códigos ou trabalhos em equipe.

Por fim, práticas de SEO e otimização em geral são obrigatórias se você quer ser um profissional completo!

Leia também: Eu sou desenvolvedor front-end

Como aprender front-end?

Até o momento não há uma faculdade de desenvolvimento front-end, por exemplo. Você encontra diversos cursos por aí, e se há dúvidas sobre qual escolher, leve esses 3 pontos em consideração (além do preço, se for o caso):

  1. Conteúdo: Quanto mais, melhor. Mas procure por conteúdo relevante: antes de aprender sobre softwares, frameworks e libraries, por exemplo, você precisa fazer as coisas do zero para entender melhor e se virar melhor – caso contrário, será um “profissional copy & paste”.
  2. Tempo: Quanto mais, melhor. Afinal, se for um curso “completo” com duração de 5 horas, tem alguma coisa incompleta aí (no caso, tudo).
  3. Credibilidade: Os professores são conhecidos? Pesquise por trabalhos e opiniões sobre eles e sobre o curso em si.

No meu caso, aprendi fuçando códigos de outros sites e lendo textos do Maujor, já que na minha época não faziam nem palestras sobre o assunto e os cursos eram sobre programas (flash e dreamweaver), não sobre linguagem. Textos na internet também eram bem escassos ou não eram tão amigáveis – ou seja, não eram pra iniciantes. Com o passar do tempo, fiz alguns cursos – como o de SEO na Mestre SEO e o de JavaScript na Caelum –, mas realmente aprendi mais na base da curiosidade. Felizmente, com o tempo os textos passaram a ficar mais amigáveis e várias comunidades foram surgindo, então hoje é muito fácil ficar antenado com novidades da nossa área.

Também assisti muitas palestras – elas são ótimas não só para conhecimento, mas para inspiração e networking. Hoje em dia tenho visto bastante coisa no YouTube e na Udemy, por exemplo – tem muita coisa boa e barata (e até mesmo gratuita!).

Então, em resumo, o que eu recomendo é que, acima de tudo, você leia a todo momento, acompanhe a área ativamente. Vídeo-aulas têm mais potencial que cursos presenciais, a meu ver, mas isso é só uma opinião. Por fim, vá em todas as palestras e eventos que você conseguir.

Ah, tenha algo importante em mente: aprofunde-se, tente aprender e entender ao máximo cada linguagem, conceito e por aí vai. Não vire refém de frameworks (ou o “profissional copy & paste” que citei acima). Assim como quem sabe mexer com Photoshop não é necessariamente um designer, não é só porque você sabe mexer com Bootstrap que será considerado um desenvolvedor front-end.

Links úteis

Pra organizar melhor tudo o que eu disse acima, seguem links para você que quer aprender front-end:

  • Maujor: Impossível criar uma lista sem citar esse cara. Aprendi muito com ele e ainda desconfio que ele tenha criado a internet.
  • Fórum Front-End Brasil: Relativamente novo, mas tem muito potencial e discussões bacanas.
  • Frontinsampa: Evento anual em São Paulo. Ótimos temas, palestrantes e organização. Fui em três edições!
  • @zenorocha e @bernarddeluna: Conheci ambos justamente no primeiro Frontinsampa, e também fiz um curso com eles (era chamado Coding On Weekend). Os caras são gênios, e se você está em busca de inspiração para sua carreira, pesquise sobre os trampos deles.
  • Udemy: Há cursos em português, mas se você manja inglês, melhor ainda. Em breve farei um post indicando alguns cursos muito bons que fiz por lá!

Mais dicas para aprender front-end

Se tem uma coisa que me orgulha nessa área é o fato de que os profissionais estão sempre compartilhando, sempre apresentando novas soluções. Enquanto em algumas áreas você é julgado por ter dúvidas ou os profissionais mantém tudo em segredo, na nossa área há diversas comunidades com muita gente disposta a ajudar. Claro, sempre tem os que mandam você procurar no Google (o que é uma dica preciosa, mas não quando você está em um fórum de discussões, por exemplo), assim como sempre tem alguém que quer que os outros façam seu trabalho – mas, no geral, o pessoal sempre está compartilhando e participando.

Então, se você tem mais dicas e quer contribuir para deixar esse post ainda melhor para quem está querendo aprender front-end, deixe seu comentário!

  • Facebook
  • Twitter
  • Whatsapp

Do que você está precisando?

Um site novo? Suporte para WordPress? Criação de logo? Outra coisa? Fale comigo!

Leia também

Confira artigos relacionados ao post Dicas para quem quer aprender front-end.

Comente!

Espaço reservado apenas para comentários sobre o post. Então, se você deseja um orçamento, por favor, entre em contato para que possamos conversar.

Quem é Fabio Lobo?

fabio lobo

Sou eu! Quer saber ainda mais sobre mim?

Bom, a maioria dos trabalhos que faço — na área de web design e desenvolvimento front-end — é com WordPress, com foco em usabilidade, facilidade e performance (tudo isso com design responsivo, é claro!). Também tenho uma agência digital, a ANDALE!, e sou fundador de outros projetos, como a WOWF e a FicaOn.

Quer saber mais sobre esse tal de Fabio Lobo? Veja meu currículo ou siga-me nas redes sociais acima. Ah! Você também pode acessar meu blog, que é focado em web design e desenvolvimento.