Escola Panamericana de Artes

"A Escola das ideias" - Confira a minha experiência como aluno nesta escola de arte e design nos anos de 2007 a 2009.

Como consta em meu currículo, fui aluno da Escola Panamericana de Artes nos anos de 2007, 2008 e 2009. Cursei Design de Publicidade na Av. Angélica.

Farei um comentário geral sobre os meus três anos de curso (Básico de Arte e Design com o professor Alexandre Santos, Comunicação Visual com o professor Nilton Santoniero e Publicidade com o professor Marcos Fajardo), professores e a escola em si. Se você ainda tem dúvidas sobre a Panamericana, talvez este artigo possa lhe ajudar.

Design de Publicidade

escola panamericana de artes

“Até onde vai a sua criatividade?”*

Módulo 1: Básico de Arte e Design

Aqui nós não temos contato com computadores (não na minha época, hoje em dia aparentemente eles adicionaram computadores ao cronograma no segundo semestre, se não me engano), é puro rabisco. Até parece aquelas aulas chatas de Educação Artística, só que sem a parte de ser chata. É claro, cada um tem suas dificuldades e acabam detestando alguma coisa (eu, por exemplo, tinha pesadelos com Nankin), mas isso acontece em qualquer curso e depende do foco de cada um. Mas é importante encarar tudo como um desafio, nada é descartável.

Foi um ano corrido e difícil, principalmente pra quem estava completamente enferrujado. Porém, é inspirador e cria grandes expectativas para o próximo módulo.

Módulo 2: Comunicação Visual

Meu primeiro contato com um Mac. Inclusive, uma das frases mais comentadas durante a aula é “preciso comprar um Mac”. Mas enfim, pra quem estava acostumado apenas com Windows, não é tão assustador se acostumar com as novas teclas, novos atalhos e ao pesadelo dos acentos (que hoje em dia não existe mais, felizmente).

Quando entrei na Panamericana eu só sabia mexer no Photoshop, e muito pouco. Em três meses do segundo módulo eu já o dominava bem, além de Illustrator e InDesign, os programas usados no curso. Eles ensinam o básico, mas é o essencial para você evoluir. Afinal, você não está lá para aprender os atalhos dos programas, você está lá para saber o que fazer como profissional da área. E este módulo despertou a minha criatividade de uma forma sensacional — é como se um monstro tivesse acordado dentro de mim. As aulas eram bastante empolgantes.

Módulo 3: Publicidade

Eu nunca tive tanta dor de cabeça. O terceiro módulo do curso prova que é mentira quando os médicos dizem que o cérebro não dói. Você o sente transpirando. É um ano difícil demais, e eu diria que ele poderia até valer como período de experiência. Você se sente dentro de uma agência.

Porém, senti muita falta de teoria, referências e indicação de livros neste ano. Algumas mídias também foram deixadas de fora ou muito pouco explicadas. Bom, o curso é de Design de Publicidade e não de Publicidade em si, então é compreensível. Mas que a gente sente uma certa falta do que eu citei acima é fato.

Professores

Alexandre Santos (Módulo 1)

Um monstro. Desenha muito bem, não mede palavras e é inspirador. Com ele você aprende ou você percebe que está na área errada. Pareceu forte demais? Pra mim não. Eu gostaria que todos os professores fossem assim. É inspirador.

Além de ótimo como professor, é muito bem-humorado, cria uma atmosfera agradável na sala de aula. Acho que o primeiro ano do curso seria muito chato se não fosse por esse cara.

Nilton Santoniero (Módulo 2)

O professor mais empolgado e mais cômico que eu já conheci. Tem vontade de ensinar, empolga e deixa a aula completamente divertida. Aulas não precisam ser chatas, e os professores não precisam ser caras sérios. Um aluno de bom humor é muito mais motivado.

Aprendi muito com o Nilton. Já ouvi críticas negativas sobre ele, mas a maioria era de alunos que aparentemente querem que o professor faça o trabalho por eles. Olha, eu tive aula com o Nilton, aprendi muito, ri muito, quase tirei um A — nota praticamente impossível na escola — e se pudesse teria aula de novo com o cara. Só posso dizer que tirei bom proveito de suas aulas e aproveito seus ensinamentos até hoje.

Marcos Fajardo (Módulo 3)

Mais um professor bem-humorado e atencioso. Atencioso até demais, em alguns casos — quando possível, vai do seu lado até o fim com um trabalho. Por um lado, isso é excelente, óbvio. Por outro lado, é muito tempo com apenas um aluno, nem sempre o restante da sala conseguia tirar dúvidas na mesma aula. Mas motivo pra ficar parado ninguém tem, já que são muitos trabalhos e muito o que pensar ao longo do ano. No final, a sensação de que você poderia ter feito mais é enorme — o que acaba te motivando a recuperar o tempo perdido no profissional.

Vez ou outra o Marcos parecia ser nosso cliente: Um dia o trabalho era aprovado e no outro vinha uma refação. Apesar de isso ser chato, também não tenho o que reclamar, já que é exatamente isso que nos espera no mercado de trabalho. Demorei para entender isso (até porque no final do ano você está puto com todo mundo), mas é o grande fato. Parece que 2009 foi o último ano do Marcos na escola, ele havia comentado que queria deixar de ser professor, mas não posso confirmar.

Escola Panamericana de Arte e Design

O ambiente é simples e confortável. Porém, a escola deixa a desejar no quesito de materiais. Tudo bem, temos Macs, mas e o resto? Precisamos comprar muita coisa (cara) durante o ano, e, para “compensar”, quando há cursos gratuitos para alunos (como História da Arte) ninguém é avisado. Eu não consegui assistir a nenhuma das palestras ao longo dos anos porque só há um auditório, e fica na sede da Groenlândia. Enfim, há uma série de fatores que eles podiam melhorar e muito. Eu recomendo os professores da Panamericana, já a escola em si me deixa com um pé atrás.

Eu acho chato o fato de a gente ter que pagar pela pasta de portfolio caso não façamos a rematrícula, por exemplo. Além disso, acho meio contraditório você se formar e ter de comprar o diploma. Só acho que pelo preço do curso, os alunos deviam ter alguns direitos. Bom, eu estou satisfeito por um lado e insatisfeito pelo outro, o que é normal. Se você vai entrar para a Panamericana, aproveite bastante os professores, foram raras as vezes que eu ouvi críticas negativas a eles lá dentro. Cada um tem lá o seu defeito, mas muita coisa que eu faço hoje é graças a esses caras.

*A imagem e o vídeo que ilustram a matéria são de uma campanha da Almap para a escola. Vale frisar que Marcello Serpa faz parte do comitê de notáveis da mesma. Para maiores informações, confira o site da escola.

Não é permitida a reprodução integral desse conteúdo. A cópia pode ser ruim para você!

Do que você está precisando?

Um site novo? Suporte para WordPress? Criação de logo? Outra coisa? Fale comigo!

Quero um orçamento

Leia também...

...alguns textos que têm a ver com o assunto:

Review – Mac Mini: Vale a pena?

Vale a pena comprar um Mac Mini? É vantajoso no trabalho e no dia-a-dia? Substitui um iMac? E a configuração ideal? Confira minha análise e opinião!

5 dicas para seu blog ter um design profissional

O que define o sucesso de um blog é seu conteúdo, mas um design profissional só tem a ajudar em vários aspectos. Saiba mais e tenha não só um design, mas um blog profissional!

Curso de JavaScript na Caelum: vale a pena?

Quer aprender JavaScript? Saiba mais sobre o curso de JavaScript da Caelum, uma das melhores escolas de tecnologia com cursos online e presenciais.

Comentários

6 comentários até o momento

  • Olá, sou estudante de Publicidade e Propaganda e estou no 2 semestre e estava pensando em fazer também o mesmo curso que você fez na Panamericana e gostaria de saber a média de preço, ou quanto você pagava na época em que estudava lá.
    Obrigada

    Responder
    • Fala, Olivia!

      Olha, cada ano eu paguei um valor diferente, pois cada ano é um módulo diferente. Não sei se é uma boa eu te dizer o preço exato porque o mesmo pode ter mudado, então prefiro dizer que é o “mesmo preço” de uma faculdade boa, mesmo sendo só duas aulas por semana. Pesado é, mas no fim vale a pena. ;]

      Responder
  • E dá pra fazer estágio fazendo esse curso?
    Porque me parece que ele é livre.

    Responder
    • Olá, Dan!

      Bom, acredito que dê, depende da empresa. Algumas exigem faculdade, por exemplo.

      Responder
  • Oi, tenho 17 anos, e já estou pensando em seguir essa área, porem, é obvio que quero ter uma faculdade, você pode dizer uma boa para mim, e quanto a bagagem cultural, como enriquece-la? Agradeço muito..!

    Responder
    • Tiago, essa que eu cito no post é bem boa. ;]

      Responder

Deixe seu comentário

Se você deseja um orçamento, entre em contato clicando aqui.

Quero um orçamento