Melhorias de performance e desempenho em sites WordPress

Aprimorar o carregamento do seu site não só irá deixá-lo mais rápido, mas também poderá melhorar seu posicionamento nas buscas e aumentar seus ganhos.

Por Fabio Lobo, atualizado em 11/05/2020. 2 pessoas falando sobre isso!

O WordPress já é pesado por natureza. Fato.

Felizmente os plugins de cache surgiram rapidamente pra melhorar as coisas. Mas essa não é a solução definitiva.

Um site otimizado é, acima de tudo, um site bem feito – um site bem planejado.

E se você trabalha com criação de conteúdo ou é empresário, por exemplo, não deve ter muita experiência nesse assunto. O que não é nada absurdo ou vergonhoso, afinal, você tem a sua especialização, sua área. Não deveria ter que se preocupar com códigos.

Estou dizendo isso porque o texto a seguir vai ser um pouco mais técnico do que estou acostumado a escrever. Certamente você vai “boiar” em algumas partes, ficar surpreso em outras e, quem sabe, até mesmo duvidar de certas coisas.

Normal. Que atire a primeira pedra quem nunca teve dor de cabeça com um programador ou recebeu um trabalho bem meia boca, ou sem instruções básicas, de alguém da minha área!

ilustração de acelerador na velocidade máxima
Vamos ACELERAR esse assunto?

Minha intenção com esse texto é dar uma visão geral sobre como é feita a otimização de sites (não só SEO, mas no final das contas o desempenho de um site tem tudo a ver com isso), além de mostrar resultados reais. Então, vou contar um pouco – mas só um pouquinho – sobre meu trabalho na área.

Preparado?

Avaliação do projeto

Alguns fatores são imprescindíveis para que o trabalho de otimização seja realizado de maneira completa e eficaz.

Não trabalho com gambiarras e serviços meia-boca, como “melhorar só um pouquinho” ou “ver no que vai dar”. Quero sempre entregar a melhor solução dentro do que for possível.

Como? Bom , sempre que me solicitam um serviço de melhoria de performance, faço uma análise completa pra entender o que é imprescindível e avaliar o que pode ser alterado ou até mesmo removido.

Sendo assim, antes de iniciar um trabalho de otimização eu avalio se este será possível. Para isso, faço uma análise completa:

Tema atual

Análise: Código em geral do tema utilizado (css, html, javascript e funções PHP também). Semântica é importante, e muita coisa que parece simples (como slideshows ou contadores) podem consumir muito mais recursos do que parece.


Antes de mais nada, preciso ser sincero e usar o clichê: não dá pra fazer milagre.

Se você utiliza um tema pronto para WordPress, principalmente com algum page builder como WPBakery, Elementor e afins, automaticamente seu site já é bem mais pesado do que “precisa”.

Isso porque esses templates vêm com um caminhão de ferramentas e funcionalidades. Os chamados “multi-purpose”, então… vish! É muita coisa carregando sem a menor necessidade.

Templates prontos são ótimos para quem está começando, mas são um pesadelo para otimização – até por conta da limitação de personalizações: qualquer alteração pode gerar dores de cabeça na hora que o tema recebe uma atualização.

Então, se sua ideia é continuar com um tema pronto e ainda assim ter um ótimo desempenho… sinto muito, mas não tem como.

Lembre-se: tudo nessa área é investimento. Você não está “gastando dinheiro” quando compra um template para o seu site ou contrata alguém para fazer melhorias. Tudo tem seu retorno, seja em forma de novos clientes que te encontrarem no Google ou cliques em banners de anunciantes.

Porém, a partir do momento que você quer só quebrar um galho, isso é jogar dinheiro fora.

Se o tema atual do cliente não pode ser otimizado, a recomendação normalmente é a troca ou reforma do template. É o que vai dar resultado.

Agora, se o tema for bem feito ou, ao menos, não exigir bibliotecas e mais bibliotecas, não tem por que criar um novo (a não ser que você queira). Algumas modificações certamente serão o suficiente.

Ah, meu novo hobby é remover totalmente o jQuery dos projetos, ou ao menos carregá-lo apenas em páginas em que plugins específicos precisem dele (como o Contact Form 7).

Hospedagem

Análise: Além de alguns hosts terem quase tudo defasado (php desatualizado, apache, medidas de segurança inexistentes – coisas assim impossibilitam algumas otimizações), praticam overselling (que é, basicamente, entupir o servidor com milhares de clientes, o que deixa tudo bem lento e instável).


Trabalho nessa área há mais de 15 anos. Como você pode imaginar, perdi a conta de quantas hospedagens utilizei (tanto para clientes quanto para projetos próprios).

Já vi de tudo e mais um pouco. Mas o que mais me impressiona é a sensação de comodidade que algumas empresas passam.

Na grande maioria das vezes que recomendo trocar de hospedagem, a hesitação por parte do cliente é enorme. Nem sempre pelo preço, mas pela zona de conforto, impressão de que está tudo certo.

Uma coisa é certa: se você assina um plano barato em alguma das hospedagens mais conhecidas, seu site automaticamente já é mais lento do que outros.

Isso porque seu projeto está hospedado junto com milhares de outros em um servidor que já está no limite – o que justifica o preço.

E com tantos clientes assim no mesmo lugar, fora as dezenas de aplicações pesadas que nunca são 100% utilizadas (alô, cPanel!), a manutenção do servidor quase inexiste.

Afinal, manter tudo atualizado e seguro dá trabalho, e muitas vezes requer deixar o servidor offline por alguns segundos. Isso significa deixar milhares de clientes fora do ar ao mesmo tempo, sem contar a mão de obra pra fazer o serviço (atualizar, testar, e dar suporte para os clientes que tiveram problemas com a atualização).

Então, é muito mais prático e lucrativo deixar tudo como está, cada vez mais defasado, porque assim não há reclamações e todo mundo – considerando que os clientes são leigos no assunto, já que esse é um tema muito técnico – fica feliz.

O modelo de negócio de hospedagens assim é, basicamente, criar uma zona de conforto pro cliente. A ideia é deixar tudo como está para que ele não tenha trabalho e nem preocupações. Contando que a maioria dos clientes não repare o tamanho do volume que está sendo criado debaixo do tapete, claro.

Com isso, até a mão de obra contratada não é tão especializada como deveria. Sempre que surge algum problema mais complexo, se você precisar de ajuda do suporte, ele não vai te orientar como deveria. No mínimo algum retorno genérico; normalmente te forçam a contratação de um plano mais caro; no máximo alguma gambiarra será feita.

Não por acaso eu já tive que apagar diversos incêndios. Uma hora chega a conta dessa zona de conforto e atendimento sem especialização. E isso pode custar seu site, sua posição no google, suas vendas e por aí vai.

Então, pense bem. Não é porque seus amigos nunca tiveram problema com essa hospedagem ou porque o atendimento sempre foi bom pra você que está tudo certo com seu site.

A regra é clara: se o servidor é defasado, lotado de clientes e sem nenhuma preocupação por parte da empresa com estabilidade e segurança, pior para o seu site.

tartaruga caminhando no meio do mato
Seu site WordPress hospedado em uma empresa… duvidosa.

Plugins utilizados

Análise: Se um único plugin pode deixar seu site pesado e lento, imagine vinte ou trinta? E não se trata apenas de quantidade – alguns plugins podem ser evitados com uma ou duas linhas de código.


Plugins são a grande sacada do WordPress pra deixar tudo muito prático e completo. E como essa parte é aberta para a comunidade – qualquer pessoa pode fazer um plugin e publicar no repositório oficial do WordPress –, existe plugin grátis pra tudo.

Infelizmente algumas pessoas acabam perdendo a mão com isso. O que é extremamente normal.

Sair instalando plugins pra resolver X ou Y, deixar o site mais completo, ou até mesmo só testar, é algo comum. Principalmente quando você não entende nada de código ou não tem com quem falar pra tirar dúvidas.

O problema é acabar acumulando plugins instalados sem necessidade – seja por “luxo” ou por esquecer de remover o que não está sendo utilizado.

Esse tipo de prática pode não só deixar seu site (bem) lento, mas com brechas de segurança. Inclusive, alguns plugins de segurança podem deixar seu site inseguro. Pois é.

Faz parte do meu trabalho analisar plugin a plugin e ver o que pode (ou deve) ser removido, substituído ou configurado da maneira correta.

Spoiler: plugins de estatísticas (contagem de visitantes, números de redes sociais e compartilhamentos, posts populares e afins) acumulam lixo no banco de dados e ainda impedem o funcionamento correto do cache.

Imagens, vídeos e afins

Análise: Nesse caso, a quantidade faz toda a diferença. Principalmente se não houver um tratamento (para deixar as imagens mais leves, por exemplo) antes da publicação.


Tratar imagens, deixando-as mais leves, é bem mais fácil do que parece. E muito mais necessário do que você imagina.

Sempre bom deixar claro que você não precisa saber de tudo. Se você acha que a imagem deve ser leve porque abre rápido em seu computador, acredite, muita gente pensa assim. Mas não tem nada a ver!

Às vezes, salvar a imagem da maneira corretafaz uma diferença gritante no tamanho do arquivo. E recortar ou redimensionar as imagens antes de publicá-las, então?!

Felizmente há como automatizar isso tudo pra você não ter que se preocupar (tanto).

Além de analisar o que pode ser melhorado, oriento como tudo deve ser feito.

Por exemplo, hospedar vídeos e podcasts no seu próprio site é um erro, a não ser que você tenha um servidor dedicado só pra isso. Ferramentas como YouTube e SoundCloud, além de fazerem com que seu site consuma menos recursos, ajudam na divulgação.

Anúncios

Análise: São os grandes vilões.


Em absolutamente todos os trabalhos que fiz para sites e blogs de monetização de conteúdo, uma redução ou remoção dos anúncios deixaria o projeto com carregamento muito – mas MUITO – mais veloz.

Em alguns casos, uma redução é inviável para o cliente, já que essa é a fonte de renda do projeto. Remoção, então, nem se fala.

Mas há salvação! Também analiso essa parte, e a ideia é que você não deixe de ganhar nem um centavo a menos com as mudanças.

Pelo contrário, eu quero é que você tenha mais ganhos após meu serviço. Eu trabalho com resultados, afinal.

Usabilidade

Análise: Por mais que isso não tenha relação direta com desempenho, a usabilidade traz benefícios para o seu projeto. Até porque se o visitante puder dar um clique a menos para chegar onde precisa, já será uma economia de tempo para ele.


O “clique a menos”, como disse acima, não tem relação direta com desempenho. Mas, por outro lado, seu visitante chegará mais rápido onde precisa.

Além disso, cada vez mais o Google considera usabilidade como fator de indexação. Um site com pouco contraste ou links muito grudados, por exemplo, pode “ficar pra trás”.

Cerca de 3,6% da população brasileira tem algum tipo de deficiência visual. Isso, hoje, são 7,5 milhões de pessoas. Será que elas conseguem navegar em seu site?

Segurança

Análise: Se seu tema tem brechas de segurança ou sua hospedagem é ineficiente, seu site poderá sofrer tentativas de ataques constantes. Isso, além do óbvio, pode sobrecarregá-lo e deixá-lo fora do ar.


O Google também considera segurança como fator de indexação. Afinal, se seu site oferece algum risco para o visitante (como phishing, trojan, vírus e até mesmo spam), ele irá perder posições – ou até mesmo ser removido das buscas.

Além disso, o contrário também pode afetar seu desempenho. Caso seu site esteja recebendo tentativas de ataques, ele poderá ficar mais lento. Isso porque cada ataque é como se alguém estivesse acessando e utilizando seu site.

Ou pior, dependendo do tipo de ataque e sua proporção.

Também trabalho com medidas de segurança. O WordPress é muito visado, então isso não poderia deixar de fazer parte dos meus serviços.

cavalo puxando uma carroça com um homem sentado. a imagem está desfocada, dando a sensação de velocidade
Se o site é uma carroça, ele não vai ficar veloz do nada. Mudanças são necessárias!

Recomendações em geral

Depois de uma análise completa – não só do site, mas das necessidades do cliente – eu apresento uma proposta explicando o que será feito no trabalho, assim as expectativas ficam, digamos, alinhadas.

Ou seja, antes do início do trabalho eu já detalho o que poderá e o que não poderá ser melhorado (isso de acordo com o que será alterado ou não).

Por exemplo, se um slideshow não puder ser removido de uma página, isso significa que ela ainda precisará de jQuery e outros recursos, então não haverá muita melhora aqui.

Já se o slider puder ser substituído por imagens estáticas, o desempenho muda completamente.

Então, além de avaliar o que pode ser otimizado, em minha consultoria sempre sugiro alterações para que o serviço seja completo.

Execução do trabalho de otimização

Na hora de colocar a mão na massa, normalmente a ordem é essa:

  1. Migração de hospedagem: Se for o caso, o primeiro passo é transferir o projeto para uma hospedagem profissional. O processo pode levar de alguns minutos a algumas horas, dependendo da facilidade que a hospedagem atual proporciona.
  2. Redução de arquivos: Basicamente redimensionamento e compressão de imagens, minificação de código e configuração de cache.
  3. Alterações necessárias: Essa parte normalmente é a mais complexa (principalmente se a reforma do tema estiver em pauta), logo demorada. Envolve códigos, plugins, mudanças estruturais de layout e por aí vai.
  4. Melhorias e refinamentos: Questões diversas como dados estruturados, compartilhamento em redes sociais, fontes, formulários e outros itens mais voltados a usabilidade e acessibilidade.
  5. Recomendações e orientações: Nenhuma otimização é permanente. É preciso garantir a continuidade dos procedimentos necessários para que o projeto continue otimizado. Então, oriento e tiro todas as dúvidas.

Cada etapa é testada e validada para acompanhar a melhoria do desempenho e garantir que tudo esteja funcionando como deveria.

Se for preciso uma reforma no template, é criado um ambiente de desenvolvimento para que o “novo tema” seja testado pelo cliente antes da publicação no endereço final.

Relatório de melhorias

Os próprios relatórios do Google Lighthouse e Google Search Console são utilizados tanto na hora de elaboração do orçamento quanto no acompanhamento e, enfim, na conclusão do trabalho.

Alguns clientes também optam pelo SEMrush, quando o trabalho é mais voltado para otimização para buscadores.

Acompanhamento e manutenção

Como dito mais acima, nenhuma otimização é permanente. Se você não seguir as recomendações, em pouco tempo seu site estará lento de novo.

Além disso, nessa área as coisas mudam em um piscar de olhos. O Google vive mudando suas diretrizes – recentemente houve uma mudança na parte de reviews dos dados estruturados, por exemplo.

Ofereço um serviço de acompanhamento mensal, ou também posso fazer uma análise a cada 6 meses, por exemplo.

Mas não se assuste: você não vai precisar investir em mudanças bruscas duas vezes por ano. Dificilmente as atualizações causam muito impacto, e a utilização de alguns plugins (como o Yoast SEO) ajuda a automatizar algumas mudanças.

Só é recomendável ficar de olho nas novidades. Caso contrário, seus concorrentes sempre estarão em vantagem.

Cases de melhora de performance e desempenho

Depois de todo esse papo técnico, vamos ao que realmente importa: números, resultados.

Separei alguns trabalhos com diferentes focos pra ilustrar tudo isso que eu disse acima.

Reforma de site

printscreen do site dinheirama

O Dinheirama precisava passar por algumas mudanças. O foco era otimizar o tema atual, mas a ideia evoluiu e uma série de melhorias foi planejada.

Não trabalhei diretamente nas mudanças visuais – nesse caso, passei orientações de o que e como poderia ser melhorado, e acompanhei a criação como se o site fosse pra mim.

Provavelmente os designers estão tendo pesadelos comigo até hoje.

Hospedado na PortoFácil, migração de host nunca foi sequer cogitada porque isso não representaria melhoria alguma.

O código foi totalmente refeito, alguns plugins foram removidos, outros substituídos e muitos scripts sofreram uma otimização gritante.

O resultado?

Antes, o site tinha esses números no Lighthouse:

printscreen do google lighthouse

Agora está assim:

printscreen do google lighthouse

Otimização de tema pronto

printscreen do site macroplan

O Macroplan foi um caso bastante parecido com o supracitado.

Eles utilizavam um tema pronto, o Choros, com WPBakery Page Builder e Slider Revolution. Minha análise inicial foi essa:

  • O template era muito pesado. O console do navegador indicava 162 requisições de quase 15MB ao todo. Pra servir de comparação, meu site tem 27 requisições com menos de 500KB.
  • As imagens precisavam de uma compressão daquelas. Um dos banners pesava 2MB. Fiz um teste com uma ferramenta de compressão e a mesma imagem ficou com menos de 400KB.
  • A hospedagem era uma daquelas que pratica overselling. Então, o site já era lento mesmo que fosse uma página em branco com texto em Times New Roman.
  • O WordPress e os plugins estavam desatualizados.

Sabe o que faltou, nesse caso? Um profissional.

A culpa do site estar ruim, pesado, com coisas desatualizadas, nunca é do cliente. Afinal, como é que ele vai saber como criar uma imagem leve, como (e por que) deixar tudo atualizado sempre?

É papel do desenvolvedor orientar sobre as melhores práticas que o cliente deverá seguir para atualizar o próprio site. Então, o site só ficou desse jeito porque quem o desenvolveu não ligou para o básico.

Meu trabalho aqui foi em duas etapas. O mais urgente era deixar o site com um carregamento aceitável, já que ele estava levando quase 10 segundos só pra abrir.

Então, sugeri a migração de hospedagem para a WOWF, remoção de alguns scripts e plugins e fiz uma minificação do código e das imagens.

Ainda assim, ficou longe de ser um site otimizado. Olha isso:

printscreen do google lighthouse

Como você pode ver, o clichê “não dá pra fazer milagre” é real. Se o site utiliza um tema pronto, ainda por cima com page builder (sem contar o Slider Revolution), ele é pesado e a única solução é refazê-lo.

Então, a segunda etapa foi refazer todo o tema, mas mantendo o mesmo visual (com algumas melhorias). Sendo assim, o Choros foi completamente descartado: painel, page builder, slider, tudo foi removido e refeito de maneira leve e precisa.

O resultado é esse aqui:

printscreen do google lighthouse

O slideshow impediu que o resultado de boas práticas da home fosse ainda melhor (jQuery…).

Migração de hospedagem

printscreen do site foco no enem

Esse foi um caso mais simples. Eu já havia desenvolvido o tema para o Foco no Enem, mas a hospedagem proporcionava um carregamento lento (e suporte quase inexistente).

Ou seja, o desempenho já era bom. Só restava trocar de hospedagem. Como o site trabalha com Google AdSense, que naturalmente já deixa as páginas mais lentas e pesadas, cada milissegundo de carregamento conta.

Entre minhas sugestões de hospedagem de sites, o cliente optou pela WOWF. Os números eram esses:

printscreen do google lighthouse

Depois de migrado, ficou assim:

printscreen do google lighthouse

Mudança quase imperceptível nos gráficos, mas significante no carregamento.

Ficaria assim se não fosse pelo AdSense:

printscreen do google lighthouse

Também por conta de um plugin que utiliza jQuery, a parte de boas práticas não ficou tão boa quanto deveria.

Dicas para deixar o WordPress mais rápido

Já escrevi por aqui sobre como deixar seu site mais rápido.

As dicas específicas para WordPress são essas:

  • Evite o combo tema pronto + page builder: Nos exemplos acima mostrei, na prática, como essa combinação é horrível para desempenho, performance em geral. Não caia em contos!
  • Não abuse de plugins: O problema não é a quantidade, mas a necessidade. 30 plugins bem utilizados podem não gerar impacto no carregamento do seu site, enquanto apenas 1 “suspeito” pode fazer que seu site fique fora do ar, até. Evite plugins de slideshow, estatísticas, fontes, com as mesmas funções (mais de um plugin para a mesma coisa) além de, é claro, page builders.
  • Utilize plugins a seu favor: Por outro lado, não subestime os benefícios que alguns plugins de SEO, minificação e compressão de imagens podem trazer.
  • Não economize com hospedagem: Não significa que você vai precisar gastar um caminhão de dinheiro com host. Significa que você deve pensar em hospedagem como investimento, não gasto. Se você procurar uma hospedagem pelo preço, e não pela qualidade, não crie expectativas sobre otimização.

Consultoria para o seu projeto

Espero que esse texto tenha sido proveitoso para você!

Em resumo:

  • Um tema pronto com page builder não vai ficar tão otimizado quanto poderia – às vezes, simplesmente não dá pra otimizar
  • Caso você esteja em uma hospedagem ruim, considere migrar – a lentidão causada pelo próprio servidor não vai desaparecer com o restante do trabalho
  • Se você não foi orientado por seu antigo desenvolvedor, não se culpe por seu site estar ruim – não teria como você simplesmente adivinhar o que precisava ser feito esse tempo todo

Quer uma análise pra ver o que pode ser feito em seu site? Fale comigo!

Não é permitida a reprodução integral desse conteúdo. A cópia pode ser ruim para você!

Quem é Fabio Lobo?

Web designer, desenvolvedor front-end e programador WordPress.

Quem é Fabio Lobo?

Estou há mais de uma década na área. O foco do meu trabalho é em usabilidade, facilidade pro usuário, acessibilidade, SEO e performance.

Também tenho alguns projetos open source, além de prestar consultoria em hospedagem WordPress e criação de conteúdo.

Como posso te ajudar hoje?

Trabalho com consultoria, suporte, manutenção, criação e desenvolvimento.

Fale comigo

Leia também...

...alguns textos que têm a ver com o assunto:

Hospedar meu site na WOWF vale a pena?

"Fabio, afinal, hospedar meu site na WOWF vale mesmo a pena?" – Se você precisa de uma hospedagem para seu site, blog ou loja virtual, confira!

Site lento e pesado? Saiba como deixá-lo mais leve e rápido!

Veja soluções para deixar seu site com carregamento mais rápido. Evitar excessos é primordial, mas há muita otimização que deve ser feita.

Como escolher o melhor domínio para registrar

Quer escolher o melhor domínio para seu site e contas de e-mail? Aprenda onde registrar o domínio, onde hospedar seu site e e-mails e como registrar sua marca.

Comentários

2 comentários até o momento

  • Nao adianta mesmo fazer tudo certinho mas assinar uma hospedagem baratinha. Descobri da pior forma possivel.

    Meu site ficava mais fora do ar do que outra coisa. O suporte do host dizia que era problema de memoria, mas nao ajudava a resolver, nao dizia o que pudia ser feito, nada… so tentava me empurrar um upgrade da conta.

    No final das contas eu perdi quase todas as posicoes no google por causa de erros 4XX e 5xx no google search console ja que o site vivia fora do ar…

    Responder
    • Que horror, Agatha! Já vi casos assim, mas sempre fico surpreso com a capacidade das grandes empresas de hospedagem visar o lucro sem dar a mínima pro sucesso do cliente como se uma coisa não dependesse da outra.

      Se eu puder ajudar em algo me avise ;\

      Responder

Deixe seu comentário

Se você deseja um orçamento, entre em contato clicando aqui.

Quero um orçamento