Por que assinar seus trabalhos?

Um web designer ou desenvolvedor deve ou não adicionar sua assinatura no rodapé dos sites que faz? Confira os prós e contras!

Durante mais de uma década trabalhando com criação e desenvolvimento de sites, já perdi a conta de quantas vezes vi discussões (por vezes nem tanto) amigáveis sobre o assunto: o web designer ou desenvolvedor deve ou não colocar uma assinatura no rodapé do site que fez para o cliente?

Conheço quem assine, conheço quem não faz tanta questão e também quem é totalmente contra.

Já eu sou totalmente a favor. Sei que sou suspeito a falar já que trabalho com isso, então reuni tudo o que aprendi nessas conversas pra expor meu ponto de vista por aqui.

Se você está na dúvida sobre assinar ou não, espero que esse post te ajude!

Motivos para um web designer ou desenvolvedor assinar projetos

Pra começar, vamos falar sobre o básico: por que assinar?

É comum nessa área

Assinar um projeto é uma prática muito comum na internet. Raramente você irá encontrar algum site sem a assinatura da agência que o criou.

Claro que esse não é o principal argumento. Mas é um detalhe importante: é algo feito desde sempre.

Então, não estou dizendo que só porque é comum deve continuar sendo feito. Esse tópico é apenas uma lembrança de que assinar um projeto não é nada, digamos, de outro mundo.

Nos decorrer do texto abordarei esse assunto novamente pra tentar explicar por que isso se tornou comum.

Ideias e soluções são suas

A meu ver esse sim é o principal argumento.

Com anos de estudo e prática, é o profissional quem vai prestar a consultoria, elaborar o briefing e entregar a solução ideal para o negócio do cliente: o site “na medida”.

Claro, há muitos “profissionais” que fazem apenas o que o cliente pede, ou vendem algo pronto com algumas alterações e fica só nisso mesmo. Isso é outra história, e infelizmente é um conto bastante comum por aí.

Mas o foco aqui é profissionalismo. O cliente tem uma necessidade, e cabe ao profissional elaborar algo que realmente funcione – e orientar o cliente sempre que possível, já que muitas vezes o que é pedido não é o ideal para o trabalho.

bloco de notas com diversos papéis amassados ao redor
E aquelas horas encarando o branco do papel ou tela?

Outra coisa: o trabalho seria feito de outra forma com outro profissional. Se você contratar dez web designers para um trabalho, terá dez trabalhos com características diferentes e com o melhor que cada um tem a oferecer.

Ou seja, a assinatura é praticamente como um selo de qualidade.

Divulgação do seu trabalho

Esse ponto é bem óbvio. Claro que, ao expor uma assinatura no final da página, o profissional estará divulgando seu trabalho.

Se o visitante gostou do site que viu, vai querer saber quem o fez. Isso porque sempre foi uma prática no mercado ter uma assinatura do profissional no rodapé.

Viu como as coisas vão se conectando?

Aí que tá: o cliente provavelmente só encontrou o profissional por causa da assinatura dele em outro projeto. Pode ter sido de maneira indireta como indicação de um amigo, talvez uma busca no google… mas tudo começa na assinatura.

Não é uma grande agência

Uma Agência Africa da vida tem recursos (financeiros e mão de obra) o suficiente pra anunciar seu trabalho por aí. Clientes não vão faltar pra eles.

Agora, uma agência de pequeno ou médio porte, ou mesmo um freelancer, dificilmente terá estrutura para publicidade e marketing pessoal. A grande maioria depende do boca-a-boca, ou de – adivinha – assinatura em projetos realizados.

A diferença é que quando é uma agência de grande porte que faz o trabalho, normalmente o cliente tem até orgulho de expor a assinatura. É uma Africa, afinal.

Como eu disse em um dos tópicos acima, a assinatura é também um selo de qualidade.

Não prejudica o cliente

Por fim, uma assinatura não prejudica o cliente.

SEO? Nem um arranhão. Na dúvida, nada melhor que um nofollow pra prevenir.

Concorrência? Bom, a não ser que o cliente preste o mesmo tipo de serviço (e nesse caso é bom senso que não tenha assinatura – falo sobre o assunto mais abaixo), isso não faria sentido. Ele não vai perder clientes para o web designer.

Anunciantes? Dificilmente um ícone 30×30 ou um nome bem discreto no rodapé irá atrapalhar banners em um site e comprometer ganhos, certo?

Estética? Não fica “feio”. É – repito – discreto.

Navegação? Uma assinatura normalmente fica afastada de menus e coisas do tipo. Então, certamente o visitante não irá confundir a assinatura com uma página do site.

Se você tiver alguma outra dúvida ou sugestão do que possa ser prejudicial, deixe seu comentário!

E os argumentos contrários?

Dos “porquês” para negar uma assinatura, esses são os mais comuns:

“Eu paguei por isso”

Um dos argumentos clássicos é que, se você paga por isso, tem o direito de remover a assinatura. Afinal, é algo seu: você comprou.

Bom, se esse for o argumento, o cliente não deve comprar roupas de marca, um carro qualquer ou nem mesmo uma TV, que tem a assinatura da fabricante tanto na frente do aparelho quanto no sistema operacional.

A assinatura faz parte do nosso dia-a-dia. E na maioria dos casos é apenas status.

“Mas isso é comum nessas áreas!”

Também é comum em web design e desenvolvimento!

“Sim, mas eu não posso pedir pra Nike tirar o logo deles da roupa!”

Você também pode comprar uma roupa com qualidade inferior que não tem marca nenhuma estampada.

Olha aí o tal do “selo de qualidade” novamente.

Exemplos práticos em outras áreas

Ainda levando em conta o “eu paguei por isso”, vamos comentar alguns exemplos de outras áreas:

  • Roupas de marca: as marcas mais caras estampavam um logo na altura do peito, como em camisas Polo, por exemplo (e tem quem compre roupa pirateada só pela “marca” estampada);
  • Veículos: carros – que também são bem caros – vêm com o logo da montadora (na frente, atrás, no volante…);
  • Livros: até em livros, que têm revisores, designers e outros profissionais contratados e pagos pela editora (ou pelo escritor), os créditos são comuns;
  • Filmes: se você já prestou atenção nos créditos de filmes, vai ver que até a tia do café é creditada – e todos são pagos;
  • Embalagens em geral: provavelmente você já viu o telefone de contato de quem fez a caixa da sua pizzaria favorita (mesmo que a pizzaria tenha feito o pagamento pelas embalagens);
  • Equipamentos domésticos: por fim, na sua casa inteira há equipamentos, de torneiras a geladeira, com uma marca estampada.

Repare que em cada área a assinatura tem um propósito diferente. Em alguns casos, é simplesmente uma valorização, um reconhecimento para o profissional (mesmo que ele tenha feito apenas sua obrigação); em outros casos é status e por aí vai.

caneta assinando uma carta
Assinatura vai muito além de identificação ou “tomar os créditos pelo projeto”.

Fica o questionamento: Não deveria ser mais aceitável (ou normal) creditar um parceiro no rodapé de um site a expor a marca de uma empresa multimilionária em suas roupas?

“Um arquiteto não coloca sua marca em uma casa que ele constrói”

Como dito em um dos tópicos anteriores, não é em toda área que esse tipo de prática é comum.

Tem tudo a ver com o tipo de trabalho também. Imagina essa situação:

Preciso saber qual arquiteto construiu essa casa pra pedir uma igual pra mim! Vou pular o muro e ver se tem assinatura em uma das janelas.

Transeunte

Exagerado, talvez? Bom, veja essa:

Preciso saber qual designer fez esse site pra pedir um igual pra mim! Vou rolar a página até o final e ver se tem assinatura.

Internauta

Agora sim, bem mais comum (apesar do risco de plágio)!

E sim, percebi que até então estamos favorecendo o lado do profissional. O que nos leva ao próximo tópico…

“Isso é propaganda grátis”

Pra configurar propaganda é preciso levar algumas coisas em consideração.

A meu ver, essas quatro:

  1. O público do site tem potencial de gerar conversão nem que seja de 1% da visitação diária para o profissional?
  2. O espaço da assinatura poderia ser utilizado para divulgar algum anunciante que pagasse pelo espaço?
  3. Unindo os dois itens acima, o cliente estará perdendo dinheiro por causa dessa assinatura?
  4. E, por fim, o cliente teria o site ideal para seu negócio sem esse profissional (ou qualquer outro que também assinasse o projeto)?

Se a resposta para todos os itens acima for não, creio que não dê pra chamar essa prática de propaganda grátis.

Afinal, o cliente não está perdendo dinheiro, oportunidades, clientes etc.

Quando eu não assino projetos

Falando um pouco sobre mim em meu próprio site (quem diria?!), em alguns casos eu prefiro não colocar minha assinatura.

Sites “concorrentes”

Quando o site é para uma empresa que presta serviços semelhantes aos meus, por bom senso eu não assino.

Em casos assim, a empresa – ou agência – normalmente é parceira e me contrata basicamente como parte da equipe, terceirizando projetos.

Quando há muitas alterações

Às vezes alguns clientes acabam não aceitando o que é proposto. Em alguns casos, o projeto final fica muito diferente do que foi sugerido inicialmente.

Em casos assim, então, eu não assino. Isso porque o trabalho final acabou não sendo meu devido diversas alterações, então não posso assinar aquilo que eu não considero como ideal.

Já falei sobre o tal selo de qualidade?

Alguns “tipos” de conteúdo

Não assino sites de conteúdo adulto ou landing pages com produtos cuja procedência eu não consigo confirmar (acontece).

É uma preocupação com a imagem de minha marca, apenas.

Empresas de grande porte, governo etc

Raramente uma empresa grande tem créditos no rodapé. Em alguns casos o trabalho é feito “dentro de casa”, seja por profissionais fixos ou terceirizados de outras agências.

Por outro lado, o valor cobrado, assim como a responsabilidade, são muito maiores.

Mas já tive a sorte de poder estampar a assinatura de uma agência onde trabalhei no hotsite de uma série famosa. Isso fica para o próximo tópico…

Minha assinatura internet afora

Atendo clientes e parceiros de diversos portes, e sempre há esse reconhecimento profissional.

Em meu portfolio você pode ver alguns de meus trabalhos – todos assinados. Abaixo vou citar três com diferentes tipos de assinatura para ilustrar o que pode ser feito.

rodapé do hotsite Dexter

Pra começar, um hotsite feito para a série Dexter. Fiz quando trabalhava em uma agência, foi um dos primeiros projetos com WordPress da casa (e só eu entendia do assunto por lá). Será que fiquei pouco orgulhoso?

rodapé do site Hypescience

Hypescience é um dos sites mais conhecidos do país. Minha assinatura normalmente é assim: meu logo, bem pequeno, no final da tela.

rodapé do site Jacaré Banguela

Por fim, no Jacaré Banguela optamos por uma assinatura ainda mais discreta (quase invisível), e de acordo com a identidade visual do site.

Alternativas para quem precisa de um site e não quer assinaturas

Reforço que tudo descrito aqui é meu ponto de vista. Nada é verdade absoluta, e também não estou esperando mudar a opinião de ninguém ao final do texto.

Por isso decidi fazer esse tópico aqui.

Se você é cliente e não concorda que o profissional assine seu projeto por algum motivo que talvez eu não tenha descrito por aqui, você tem o direito de solicitar a remoção da assinatura. De preferência isso deve ser conversado antes do início do trabalho, é claro.

Como “compensação”, você pode sugerir que os créditos fiquem em uma página “Sobre” ou “Equipe”, por exemplo. Ou negociar um valor superior – já vi agências cobrarem de 10 a 40% do valor do projeto pra não assiná-lo.

Outra opção é procurar por templates prontos ou um construtor de sites e botar a mão na massa, assim você poderá editar o que – e como – quiser, sem precisar depender de um web designer ou desenvolvedor.

Assinatura também é valorização do profissional – agora parceiro – contratado

Imagine um mundo em que ninguém indica nada ou ninguém. Um mundo onde todo mundo precisa correr atrás de serviços sem saber onde está se metendo.

Como argumentei nesse texto, se você encontrou um web designer ou desenvolvedor para criar seu site, muito provavelmente foi por causa de uma assinatura.

Posso estar enganado, mas a minha conclusão é que o cliente nunca tem algo a perder se deixar os créditos no rodapé. Já o profissional, sem a assinatura infelizmente ele tem – e muito – a perder.

É por essa e outras que assinar é uma prática comum nessa área.

Não é permitida a reprodução integral desse conteúdo. A cópia pode ser ruim para você!

Do que você está precisando?

Um site novo? Suporte para WordPress? Criação de logo? Outra coisa? Fale comigo!

Quero um orçamento

Leia também...

...alguns textos que têm a ver com o assunto:

Crie o portfolio perfeito

Confira na Revista W ótimas dicas, referências e entrevistas para criar seu portfolio perfeito para atrair clientes ou conseguir um emprego.

Dicas para quem quer aprender front-end

Quer aprender front-end? Saiba mais sobre a profissão e confira algumas dicas para você que está começando agora e quer ser um desenvolvedor front-end!

Quero ser designer. Qual programa devo usar?

"Quero ser designer. Devo aprender Photoshop, Illustrator e InDesign?" – Pra ser designer, a primeira dica é: esqueça as ferramentas.

Deixe seu comentário

Se você deseja um orçamento, entre em contato clicando aqui.

Quero um orçamento