Quanto cobrar por (guest) post patrocinado em blogs?

Quanto custa um artigo publicitário – ou um link – em seu blog? Saiba como calcular quanto cobrar por um post patrocinado ou guest post.

Por Fabio Lobo, atualizado em 13/10/2021.

Recebeu uma oferta de post patrocinado (ou guest post, ou até mesmo a inserção de um link em um post já existente) mas não sabe quanto cobrar?

Essa dúvida é normal para quem está começando – aliás, muita gente até se surpreende quando alguém quer comprar um post em seu blog.

Pensando nisso, elaborei esse post para ajudar os probloggers de primeira viagem a calcular um preço para seus posts patrocinados. Além disso, vou falar sobre os possíveis riscos que esse tipo de publicidade representa.

Prepare a calculadora e vamos em frente!

pessoa digitando em seu laptop enquanto cifrões surgem no ar; à frente, o texto Quanto Cobrar Por Um Post?

Quanto custa um post?

Talvez a pergunta certa seja: quanto custa seu trabalho?

E não é pelo post em si, já que muitas vezes ele já vem escrito pelo próprio cliente ou empresa responsável pelo marketing – mas pela “jornada” do seu blog.

Ou seja, todo o trabalho que você teve da criação do blog até esse anunciante querer comprar um espaço por lá. Afinal, se não fosse por esse trabalho, você não teria um anunciante hoje.

Pensando nisso, a meu ver você deve levar cinco fatores na hora de calcular o preço de um post patrocinado, ou publipost:

Tenha em mente!

Você sabia que escolher a hospedagem errada pode reduzir sua nota no Google, causar lentidão e até mesmo deixar seu site vulnerável para invasões e vírus?

Clique aqui e saiba mais!

  1. Número de acessos diários: É imprescindível saber quantas vezes o anúncio do seu cliente será visualizado diretamente no seu site.
  2. Total de seguidores e seu engajamento: Considere todos os canais onde seus posts são divulgados (como newsletter e redes sociais, por exemplo).
  3. Autoridade do Website (ou Classificação do Domínio): Também conhecida como Domain Rating, essa é uma métrica do Ahrefs que pode ser calculada nesse link aqui. Tem a ver com a quantidade e qualidade de backlinks que seu domínio recebeu.
  4. Nicho e especialização: É sabido que alguns nichos são mais caros que outros, e também que os preços podem variar sazonalmente. Além disso, se você for um especialista da área, valorize-se!
  5. Sua meta de faturamento mensal: Se seu blog é seu trabalho, certamente você tem um “salário”. Então, tirando outras fontes de receitas (como AdSense e afiliados), veja quanto falta para você alcançar essa meta com posts.

Mas claro, tudo isso é muito relativo.

Você pode chegar em um valor que é muito acima do que seus concorrentes e parceiros cobram, o que inviabilizará qualquer possibilidade de negócio.

Então, a não ser que você esteja em um nicho bem específico ou tenha uma atuação única, no final das contas você deverá se basear no mercado.

Quanto cobrar por um guest post ou post patrocinado?

É a pergunta que não quer calar – e como você viu acima, infelizmente a resposta vai depender mais de sua concorrência do que do seu trabalho.

Vamos supor que você tem um blog de informática com 5 mil acessos diários, 20 mil seguidores e uma autoridade de 40. Seu principal concorrente tem 10 mil acessos diários, 100 mil seguidores e uma autoridade de 50.

Se esse concorrente cobra, por exemplo, R$ 1.000 por post, você terá que calcular um valor proporcional para ser competitivo. Afinal, o concorrente tem números melhores.

Ou seja, considerando esses números, você teria que cobrar algo em torno de R$ 300.

Mas como eu cheguei nesse preço? Com a fórmula abaixo:

Como calcular quanto vale um post?

Vamos continuar usando esse concorrente fictício como exemplo para tentar entender como ele chegou a esse valor (R$ 1.000) e como você pode calcular quanto cobrar por post.

Podemos considerar a seguinte fórmula:

  • Número de acessos diários × 0,01 = X
  • Número de seguidores × 0,001 = Y
  • Nota de autoridade do website × 0,1 = Z
  • E então: (X + Y) × Z

Nesse caso, o concorrente tem 10 mil acessos diários (X = 100), 100 mil seguidores (Y = 100) e autoridade de 50 (Z = 5).

Então o cálculo é (100 + 100) × 5 = 1000 (ou seja, R$ 1.000).

Voltando ao seu blog, são 5 mil acessos diários (X = 50), 20 mil seguidores (Y = 20) e autoridade de 40 (Z = 4).

Sendo assim, o cálculo é (50 + 20) × 4 = 280 (ou seja, R$ 280).

Mas importante: nada disso é uma regra! Criei a fórmula apenas para facilitar, e os valores são exemplos.

Em outros nichos o número de acessos e de seguidores poderiam ser multiplicados por 0,02 e 0,002, respectivamente. E em alguns casos a autoridade pode valer mais ou menos que 0,1. Além disso, se você é expert no nicho, poderá cobrar a mais.

Então, considere essa forma de calcular quanto custa um post como uma base que pode variar e que certamente será negociada caso a caso.

Nicho + especialização = valor maior

Um blog com poucos acessos diários pode cobrar bem mais se tiver uma boa classificação de domínio ou se o autor for uma referência no nicho.

Nesse caso, o público é mais qualificado por ser de um nicho específico, e a “palavra” do blogueiro vale mais justamente por ser um especialista da área.

Assim, um blog bem conceituado com 1 mil acessos por dia, 1 mil seguidores e com autoridade de 70 pode aumentar os multiplicadores para 0,05 (X = 50), 0,005 (Y = 5) e 0,2 (Z = 14), por exemplo, chegando ao preço de R$ 770 ((50 + 5) × 14 = 770).

Quem escreve o post: você ou o cliente?

Também é importante calcular o preço da escrita e/ou revisão do post.

Na maioria dos casos, o cliente envia o post pronto. Porém, você precisa revisar ou até mesmo alterar algumas partes do texto. Considere um valor de revisão.

Há também a possibilidade de o anunciante pedir para que você escreva o post. Nesse caso, você deve ter em mente um valor para escrever esse post.

O cálculo disso normalmente é feito por quantidade de palavras do texto, sendo que cada palavra valerá alguns centavos.

Por exemplo, caso você considere 3 centavos por palavra na revisão, um post com 500 palavras terá um adicional de R$ 15. A fórmula é 0,03 × 500 = 15.

E se considerar 7 centavos por palavra na escrita de um post novo de 500 palavras, o adicional será de R$ 35 (0,07 × 500 = 35).

E quanto cobrar por uma inserção de link em post já existente?

O mesmo que você cobraria por um post patrocinado – ou até mais.

Sim, muita gente pensa (e faz) completamente o oposto, como cobrar metade do valor de um post, por exemplo. Mas eu acho isso errado.

A minha lógica é a seguinte: ao adquirir um link em um post já existente, o cliente terá mais benefícios em comparação a comprar um post “do zero”.

Isso porque o link será inserido em um post que já está (bem) ranqueado no Google. Então, o cliente terá uma exposição constante, podendo receber muito mais cliques a médio prazo do que em um post novo.

Além disso, como a estratégia de quem compra links em posts antigos é justamente conseguir backlinks para dar uma turbinada no SEO, é muito mais vantajoso ter um link desse tipo.

Por fim, quando você altera o conteúdo de um post antigo, há o risco de perder posições no Google (principalmente porque você está inserindo um link externo).

Então, levando em conta esses três pontos, faz todo sentido você cobrar o “valor cheio” (ou até mais, caso seja um post bem ranqueado e com muitas visualizações diárias).

Cuidados ao vender posts

Estimar um preço justo para seus posts é a menor das preocupações.

Isso porque há outras questões bem mais importantes que você deve ter em mente ao fazer dos seus posts um espaço publicitário.

São questões que, se não forem cuidadosamente analisadas, podem comprometer seu relacionamento com seus leitores e até mesmo seu ranqueamento no Google.

Então, antes de publicar um post pago, tenha os seguintes cuidados:

1. Ética

Deixar claro que um post pago é um artigo publicitário ou um press release é uma obrigação ética.

No entanto, boa parte dos anunciantes pedem justamente o oposto: que o post não seja marcado como patrocinado e que pareça que foi feito por você ou outro autor do blog.

Em alguns casos, isso é totalmente contornável. Pode haver um planejamento para que a pauta coincida com o que você tem a dizer. Vai continuar sendo um post pago, mas pelo menos não será mentiroso.

Em alguns casos de guest post, o cliente quer apenas um link dofollow independentemente do teor do texto. Nesse caso, melhor ainda, porque o conteúdo não precisará ser opinativo, apenas informativo.

Mas aí você terá outro problema que poderá afetar seu ranqueamento, já que o Google pede para que links patrocinados sejam nofollow e também sponsored (vide item a seguir).

2. Diretrizes (e penalizações) do Google

Em suas diretrizes de qualidade, o Google deixa bem claro que não tolera os chamados “Esquemas de links”:

  • Comprar ou vender links: Trocar dinheiro, bens e serviços por links ou postagens com links;
  • Trocas de links: Fazer muitas trocas de links ou criar páginas de parceiros com o objetivo de criar links cruzados;
  • Otimização de palavras-chave: Fazer artigos em grande escala ou de campanhas de guest posting com links de texto para otimizar palavras-chave.
  • Links automatizados: Usar programas ou serviços automatizados geradores de links;
  • Créditos: Exigir um link em páginas ou rodapé do site sem que o proprietário de tal site tenha a opção de adicionar uma relação nofollow ao link.

Além disso, há os chamados links artificiais – são links que passam relevância de um domínio para outro (link juice, hoje conhecido como link equity) de maneira artificial, mas que possibilita uma melhora do ranqueamento de quem recebe o link.

No geral, são links fora de contexto – como um post sobre jogos de apostas em um site sobre animais de estimação, por exemplo.

Como evitar uma penalização do Google?

Em suma, o Google penaliza quem compra e/ou vende links para melhorar o posicionamento no buscador.

Sendo assim, você pode vender posts patrocinados à vontade – desde que isso não ajude a melhorar o ranqueamento do seu cliente no Google.

Para tanto, basta seguir uma dessas recomendações do próprio buscador:

  1. Adicionar o rel="nofollow sponsored" no link do cliente. Enquanto o nofollow avisa ao Google que ele não deve seguir o link, o sponsored deixa claro que se trata de um link comprado.
  2. Bloquear o post no Google – ou seja, impedir que o buscador indexe sua página. Para tanto, você deve inserir uma regra em seu robots.txt ou adicionar a tag meta noindex em sua página.

Assim, você deixa claro para o Google que a intenção não é burlar o ranqueamento e poderá vender posts pagos à vontade, sem medo de ser penalizado.

3. Golpes

Por fim, você deve estar atento a espertinhos e maldosos. A internet está cheia de gente assim.

Dos principais golpes na praça, destaco:

  1. Inadimplentes: São os que pedem a publicação do post mas não pagam. Nesse caso, se o post for bom e único, sugiro remover o link e citações ao cliente e ficar com o post. Ou seja, um contra-golpe.
  2. SEO negativo: Acredite, alguns concorrentes podem pagar para inserir links de qualidade ruim (ou links artificiais) em seu site e, com isso, prejudicar seu SEO. Então, muito cuidado na hora de inserir links de sites duvidosos (inseguros, anônimos ou de warez, pornografia, apostas etc.).
  3. Aproveitadores: São pessoas que normalmente utilizam nomes inventados para fazer contato perguntando quanto custa um post – mas só pra oferecer algo como 50% do valor, afirmando que são uma empresa grande, cheia de clientes, e prometendo que haverá mais posts frequentemente. É mentira, então cobre o valor justo.

Exemplo de golpe

Ainda sobre o item 3, normalmente os aproveitadores são gringos e trabalham para algum site de apostas. Os posts são entregues em português, mas porcamente revisados.

Eis um exemplo de contato comum:

Hi,

Hope you’re enjoying good health.

We’re professional blogger outreach and content marketing agency. We provide long term relationship with our clients.

We provide articles and non-promotional content to blogger relevant to their website niche.

You can help us by placing an article with a do-follow link on your site. If you’re interested, then tell me price to publish my article.

We make payments through PayPal or Payoneer.

We’ll be happy to hear from you soon.

Regards

Não adianta o que você responder: eles vão querer um preço menor. E quando enviam o primeiro post, também será o último, porque toda essa balela de relacionamento a longo prazo é só para conseguir um desconto.

Vale a pena trabalhar com artigos patrocinados?

Sim, vale muito a pena – mas você deve ter em mente todos os riscos para não acabar se dando muito mal com o Google.

Vender posts pode dar um retorno muito bom, mas também pode incomodar seus leitores se os textos forem ruins ou totalmente fora do contexto.

Por fim, é preciso ter ética. Seu leitor precisa saber diferenciar o que realmente é sua opinião e o que é um espaço comprado por outra empresa. Do contrário, sentirá-se enganado – e com razão.

Créditos das imagens: Freepik.

Tire suas dúvidas

Já sabe quanto cobrar por um post em seu blog – e se vale a pena correr os eventuais riscos? Se ainda tiver dúvidas, confira o FAQ abaixo ou então deixe um comentário!

O que é post patrocinado?

Post patrocinado é um artigo publicitário, ou seja: um conteúdo que promove alguma marca, empresa, serviço, evento etc.

O Google penaliza post patrocinado?

O Google penaliza a compra e venda de links que podem favorecer a indexação e rankeamento no buscador. Então, é importante que links patrocinados tenham o atributo rel="nofollow sponsored" ou que a página do post seja proibida de ser indexada pelo Google através do robots.txt ou da tag meta noindex.

Quanto cobrar por um post em um blog ou site?

Conforme você pode ver neste post, a forma mais prática de saber quanto cobrar por um post é pesquisando quanto seus concorrentes e parceiros cobram. Se descobrir, utilize a fórmula localizada neste post para calcular quanto você pode cobrar.

A cópia dos conteúdos e trabalhos deste site não é permitida. Saiba mais clicando aqui!

Fique por dentro!

Cadastre seu e-mail abaixo se você quiser receber posts, dicas e conteúdos por e-mail:

Quem é Fabio Lobo?

Web designer, desenvolvedor front-end e programador WordPress.

Quem é Fabio Lobo?

Estou há mais de uma década na área. O foco do meu trabalho é em usabilidade, facilidade pro usuário, acessibilidade, SEO e performance.

Também tenho alguns projetos open source, além de prestar consultoria em hospedagem WordPress e criação de conteúdo.

Como posso te ajudar hoje?

Trabalho com consultoria, suporte, manutenção, criação e desenvolvimento.

Fale comigo
Leia também...

...alguns textos que têm a ver com o assunto:

Serviço de consultoria para WordPress
Serviço de consultoria para WordPress

WordPress é fantástico, mas gera algumas dores de cabeça. Conheça o serviço de consultoria para WordPress e consulte um especialista!

O que é Inbound Marketing e Outbound Marketing?
O que é Inbound Marketing e Outbound Marketing?

Saiba mais sobre Outbound Marketing e Inbound Marketing: significados, exemplos e uma conclusão sobre qual dá mais resultado hoje em dia.

Como aparecer no Google Meu Negócio
Como aparecer no Google Meu Negócio

Saiba como cadastrar uma empresa no Google My Business. Aparecer no Google Meu Negócio te dá mais visibilidade nas buscas e no Google Maps – de graça.

Deixe seu comentário

Se você deseja um orçamento, entre em contato clicando aqui.

Quero um orçamento