Acelerar WordPress: dicas para carregamento rápido

Deixar o WordPress veloz requer uma otimização bem específica – e bem feita. Veja essas dicas para acelerar o WordPress e reduzir seu tempo de carregamento!

Por Fabio Lobo, atualizado em 20/11/2020.

Mesmo com as constantes mudanças do Google, a velocidade de carregamento de um site nunca deixou de ser uma das prioridades. E acelerar o WordPress pode ser uma tarefa bem complicada.

Além de ser um sistema pesado, o WordPress conta com algumas facilidades que podem acabar deixando seu site lento se não usadas corretamente.

É o caso de alguns plugins e de todos os temas prontos com page builder, por exemplo.

Mas não se desanime: é possível, sim, otimizar o WordPress.

Separei dez dicas que podem ser consideradas como regras para fazer o WordPress carregar mais rápido. Se você seguir todas elas, certamente aquela tão sonhada nota 100 no PageSpeed pode se tornar realidade.

imagem abstrata representando velocidade; à frente o texto Como Acelerar o WordPress

1. Hospedagem otimizada para WordPress

Um dos pontos imprescindíveis para acelerar o WordPress é utilizar uma hospedagem de qualidade, preferencialmente otimizada para WordPress.

Procure por requisitos assim em uma Hospedagem WordPress:

  • Hospedagem Unix/Linux;
  • Servidor Nginx;
  • Versão mais recente do PHP (com atualizações frequentes);
  • MariaDB ou MySQL também com versão mais recente (e também atualizado frequentemente);
  • Certificado SSL grátis (como Let’s Encrypt);
  • Backups diários em um servidor externo específico para backups;
  • Medidas de segurança (firewall, proteção anti-DDoS, boas práticas para WordPress etc);
  • Suporte com experiência em WordPress;
  • Compressão de imagens e conversão para WebP e/ou AVIF;
  • SSD (solid-state drive).

Evite cair em pegadinhas como recursos ilimitados, porque isso não existe.

Por fim, cPanel e contas de e-mail só deixam o servidor mais pesado e até inseguro.

Opte por um plano sem esse tipo de painel de controle e utilize hospedagens de e-mail (algumas opções são grátis, como você verá mais abaixo).

WEB STORY: Vale a pena assinar uma hospedagem não gerenciada?

Hospedagem compartilhada, VPS ou dedicada?

Se você quer ter um WordPress veloz, um VPS ou servidor dedicado passam a ser uma opção ideal.

Isso porque hospedagens compartilhadas naturalmente são mais lentas, mas isso não irá prejudicar seu site se você:

  1. Escolher uma hospedagem que não hospede centenas ou milhares de clientes no mesmo servidor;
  2. Seguir as demais recomendações desse post.

Na dúvida, consulte essa lista de hospedagens.

2. CDN, minificação e cache

Esses são três recursos que podem fazer toda a diferença na otimização do WordPress.

  1. O cache transforma seu site em HTML estático, assim não há requisições ao banco de dados e processamento de códigos PHP a cada visualização de página.
  2. A minificação deixa o código-fonte muito mais leve, e isso faz com que suas páginas sejam carregadas mais rapidamente pelo navegador.
  3. Por fim, uma boa CDN (Content Delivery Network, ou Rede de Distribuição de Conteúdo) armazena seu site em cache em diversos servidores espalhados pelo mundo.
    Assim, quando alguém entrar em seu site, irá acessá-lo através do servidor mais próximo de sua localização. Isso faz com que o WordPress carregue mais rápido.
como funciona a CDN da cloudflare
Exemplo de como funciona uma CDN.

Plugin de cache

Os melhores plugins de cache para WordPress atualmente são:

  1. Redis Object Cache, o ideal para servidores Nginx – é o preferido da WOWF;
  2. CloudFlare, que oferece opções mais avançadas que você verá a seguir;
  3. E o bom e velho WP Super Cache.

Mas não é só instalar e pronto – é preciso testar e configurar da melhor maneira possível para seu site e servidor. E isso pode variar muito de site para site.

Por exemplo, se você utiliza o WooCommerce, é preciso criar regras para não armazenar em cache páginas específicas como carrinho de compras, área de membros, dentre outras.

Plugin de minificação

Atualmente indico o plugin Autoptimize para minificação. É o mais completo e personalizável, além de ter cache próprio.

Mas assim como os plugins supracitados, esse também precisa de uma série de testes até a configuração ideal ser encontrada.

Problemas com JavaScript são os mais comuns na hora de agregar e minificar o código-fonte. É preciso ter um certo conhecimento técnico para lidar com isso!

CDN da CloudFlare

Por fim, a CloudFlare não só oferece a melhor opção de CDN para WordPress como também faz o trabalho de cache e minificação.

É possível acelerar o WordPress ao máximo utilizando workers da CloudFlare para cache. Dependendo do porte do seu site, o plano grátis é o suficiente.

Também é um pouco complicado configurar a CloudFlare. Mas quando o trabalho é feito, não tem pra ninguém: o WordPress fica realmente muito rápido.

3. Tema personalizado e otimizado

É muito fácil ter um site WordPress do jeito que você quer hoje em dia. Há diversos temas prontos que possibilitam criar páginas personalizadas arrastando e soltando elementos com ferramentas de page building.

Mas isso é um pesadelo para quem quer deixar o WordPress rápido.

Para serem altamente personalizáveis, temas prontos são extremamente pesados. E dependendo da combinação de plugins, isso só piora.

Se você quer acelerar o WordPress, ter um tema personalizado (isso é, um tema desenvolvido por um desenvolvedor WordPress) é essencial.

Quer ver a diferença?

Comparação entre tema pronto e tema personalizado

Um exemplo clássico que utilizo bastante para ilustrar essa situação é o trabalho que fiz para a empresa Macroplan.

O site da empresa utilizava um tema pronto chamado Choros, com o combo de plugins WPBakery Page Builder e Slider Revolution.

Como você pode ver no printscreen abaixo, o desempenho não era dos melhores:

printscreen do google lighthouse

A única solução para melhorar a performance do WordPress nesse site era fazer tudo de novo. O cliente queria manter o mesmo visual, mas isso não era um problema.

Após um refactor do tema (refiz todo o código-fonte, removendo por completo as opções do Chorus, do WPBakery Page Builder e do Slider Revolution) e hospedagem na WOWF, eis o resultado:

printscreen do google lighthouse

Não tem segredo: otimizar o WordPress é otimizar o tema também.

4. Compressão e otimização de imagens

Faz toda a diferença quando você faz o upload de imagens já na medida certa, comprimidas e principalmente com a extensão correta.

Normalmente a recomendação é essa:

  • Fotos em geral: JPG
  • Ilustrações, desenhos e elementos de design: PNG ou SVG
  • Imagens com fundo transparente: PNG
  • Animações como recortes de vídeos e banners: GIF (ou – isso mesmo – vídeo)

Mas não para por aí. Comentei no tópico de hospedagem (dica 1) que “Compressão de imagens e conversão para WebP e/ou AVIF” deve ser um pré-requisito.

Esses são formatos mais otimizados para imagens, e o ideal é que o servidor faça esse trabalho de conversão e entrega condicional dessas imagens.

Ou seja: quando um visitante acessar seu site através de um navegador com suporte a WebP, ele irá ver as imagens nesse formato. Isso deixa o WordPress bem mais leve e rápido.

AVIF ou WebP: qual é melhor?

Utilizando o Squoosh, fiz uma comparação rápida para comprovar a eficiência desses formatos.

Primeiro, otimizei uma foto JPG com 1200px de largura. Ficou com 351 kB (a foto original pesava 2.79 MB), razoável para uma foto dessa resolução.

imagem em JPG

Aí fiz as conversões. Primeiro, de JPG para WebP: de 351 kB para 119 kB.

imagem em WebP

E então de JPG para AVIF: de 351 kB para 76.7 kB.

imagem em AVIF

Como você pode ver, AVIF leva uma boa vantagem. Mas não se empolgue muito: poucos navegadores suportam o formato atualmente, enquanto que WebP é suportado em todos os browsers mais modernos.

Então o recomendado é fazer o que comentei mais acima: utilizar os dois formatos de maneira condicional, entregando a imagem mais otimizada de acordo com o navegador do usuário.

Plugin para comprimir e otimizar imagens

Não recomendo utilizar plugins, muito menos o próprio editor de imagens do WordPress, para essas otimização de imagens.

Não dá o mesmo resultado que um trabalho manual de redimensionamento e compressão.

Se você não consegue fazer a edição de suas imagens através de um software como o Adobe Photoshop, por exemplo, saiba que há algumas soluções online para otimização de imagens.

Mas se não tiver jeito mesmo, utilize o plugin Imsanity para ao menos redimensionar suas imagens para o tamanho ideal.

E o plugin EWWW Image Optimizer, que é do mesmo desenvolvedor do Imsanity, quebra um galhão na compressão de imagens.

5. Carregamento adiado

exemplo de como funciona o lazy loading
Exemplo de como funciona o lazy loading.

Acelerar o WordPress exige um pequeno truque: fazer com que alguns recursos demorem para carregar.

Contraditório, não?!

Mas faz todo sentido: quando um visitante acessa seu site, só é importante carregar os recursos críticos da página (os que podem ser vistos logo de cara), como o CSS principal e scripts importantes para o funcionamento imediato do site.

Tudo o que depender da interação do usuário, como rolar a tela para baixo, deve ter seu carregamento adiado. Assim, esses recursos só irão carregar quando o usuário estiver perto de vê-los.

Lazy loading em imagens e iframes

Embora o recurso de lazy loading nativo em navegadores já tem um bom suporte, ainda vale a pena fazer uso do bom e velho lazysizes.

Nesse caso eu não recomendo plugins por um motivo: nenhum plugin de lazy loading, nem a opção nativa do WordPress, adiciona o atributo de carregamento adiado em todas as imagens e iframes de um tema.

Normalmente essas opções adicionam o recurso apenas em imagens e iframes de conteúdo e em algumas miniaturas (thumbnails).

É importante, então, que o lazy loading seja implementado por um desenvolvedor WordPress para que tudo funcione como deveria.

JavaScript com carregamento atrasado ou após interação

JavaScript, mesmo quando otimizado, pode deixar seu site mais lento.

Se você utiliza diversas bibliotecas e/ou frameworks, então, nem se fala. É um dos motivos pelos quais sites com page builders são praticamente impossíveis de otimizar.

O JavaScript que não for crítico também deve ser adiado com uma espécie de lazy loading de scripts, de duas formas:

  1. Fazer com que o script carregue após a interação de um usuário, como a rolagem da tela; e/ou
  2. fazer com que o script carregue alguns segundos após o acesso à página.

Em sites que têm utilizam scripts de anúncios como AdSense e Taboola, esse recurso faz toda a diferença.

Como remover bloqueios de renderização?

Os bloqueios de renderização podem ser scripts ou folhas de estilo que carregam acima da dobra e/ou no <head> do site.

Como esses recursos carregam mais cedo que outros elementos do site, eles tendem a atrasar o carregamento da página como um todo.

Para evitar esse tipo de coisa é importante que todos os scripts estejam no final do documento, antes da tag </body>.

É possível fazer algo parecido com o CSS também, mas é um pouco mais complicado. Você deve gerar um CSS crítico (critical CSS) para ficar no <head>, e o restante do CSS pode ficar no fim do código fonte.

O já recomendado plugin Autoptimize te ajuda com tudo isso!

6. Evitar plugins e recursos desnecessários

Como saber o que é desnecessário? Talvez só um profissional possa te ajudar com essa questão.

Mas remover o que você sabe que não está sendo usado, além dos plugins que fazem a mesma coisa (pra que mais de um plugin com a mesma finalidade?), já ajuda.

Lembrando: não basta desinstalar – é preciso remover.

Plugins que deixam o WordPress lento

Em resumo:

  1. Plugins de estatística (visualização de páginas, contador de acessos, votação com estrelas, curtidas etc.)
  2. Page builders (não diga!?)
  3. Plugins de slideshow (ATCHIMsliderrevolution)
  4. Plugins de anúncios (mais por culpa dos anúncios em si que dos plugins, é verdade – mas tais plugins não oferecem medidas básicas de otimização)
  5. Plugins que funcionam com Ajax (como scroll infinito e chats)

Além de, é claro, plugins que não respeitam o cache (como e-commerce, área de membros etc).

E plugins malfeitos.

ilustração de excesso de plugins e recursos em um site
Tudo em excesso pode deixar o WordPress pesado e lento.

Plugins de estatística, inclusive, costumam ser os campeões de lentidão. Não só isso: em momentos de pico de acessos simultâneos o WordPress pode até ficar fora do ar.

Se você faz uso de um plugin assim, remova-o!

WEB STORY: 5 coisas que deixam o WordPress lento

7. Terceirizar a hospedagem de recursos pesados

Hospedar arquivos pesados como vídeos e áudios no WordPress pode te trazer dois – até três – problemas:

  1. Acabar rapidamente com seu espaço em disco;
  2. Consumir todo o seu limite de transferência mensal, caso sua hospedagem faça essa medição;
  3. Deixar o WordPress lento, ou até mesmo fora do ar em picos de visualizações.

Hospedagem de contas de e-mail

Hospedar e-mails no mesmo servidor que seu site é uma péssima ideia.

Em vez disso, utilize uma hospedagem própria para e-mails, como:

  • Zoho Mail (grátis para até cinco contas)
  • Yandex Mail (grátis)
  • Gmail do Google Workspace (pago)

Hospedagem de vídeos, áudios e podcasts

Campeões de consumo de largura de banda e espaço em disco, a não ser que você tenha um servidor dedicado (ou uma hospedagem de arquivos como Amazon S3), é melhor utilizar essas opções:

  • YouTube (grátis, tanto para vídeos quanto para áudios)
  • Vimeo (ideal para quem vende cursos, por exemplo)
  • Anchor (bom para podcasts)
  • SoundCloud (pago)

Em todos os casos há uma vantagem adicional: exposição a mais para seu trabalho.

Hospedagem de arquivos para download

Seu site disponibiliza muitos arquivos para download? Tente hospedá-los em uma dessas alternativas:

  • Amazon S3 (pago)
  • WeTransfer (opções grátis e paga)
  • Armazenamento na nuvem como Google Drive ou Dropbox (opções grátis e paga)

Plugin de comentários

Se seu site recebe um volume grande de comentários (é o caso de blogs de entretenimento), também é recomendável terceirizar esse recurso.

Afinal, a cada comentário publicado, o cache é apagado. Em um momento de pico de interações, isso pode causar uma bela lentidão.

Algumas alternativas:

  • Disqus (já foi bem melhor – hoje insere anúncios em seu site)
  • WP Social Comments (insere a ferramenta de comentários do Facebook)
  • Jetpack (boa alternativa ao Disqus)

8. Correção de bugs

Corrigir bugs do WordPress não é uma tarefa que deveria visar apenas a velocidade do seu site, é verdade.

Mas se você está sentindo uma certa lentidão no seu WordPress, talvez seja algum bug escondido.

Faça sempre uma auditoria do WordPress em busca de problemas.

Erros 404

Erros 404 (página não encontrada), incluindo os de recursos (imagens, scripts etc) podem deixar seu site mais lento.

Isso porque o que não existe não fica em cache, então cada tentativa de visualização gera uma nova requisição ao servidor. Em um pico de acessos, seu site pode cair.

ilustração de pessoas procurando por bugs em um site
Um bug bem bobo pode estar deixando seu WordPress lento.

Lembra que no tópico sobre hospedagem “Servidor Nginx” era um dos pré-requisitos?

Se você hospeda seu WordPress em um servidor Nginx e está com o cache bem configurado, esse tipo de bug não irá comprometer a velocidade do WordPress (claro que você não deve deixar de corrigir bugs por isso).

Mas se você está em um servidor Apache, uma imagem quebrada já é o suficiente para deixar o WordPress lento.

Agora, páginas 404 sim podem ser um problema. Elas não ficam armazenadas na memória do Nginx, nem geram um erro diretamente no servidor como no caso de imagens.

Você deve criar um redirect 301 para uma página existente ou configurar no servidor o erro 410.

Bugs de PHP e banco de dados

Um erro de PHP pode comprometer outros plugins e funções do seu site, afetando até mesmo o cache.

E um banco de dados cheio de lixo (uma das especialidades de plugins de estatísticas), por exemplo, pode deixar o painel do WordPress lento, além de páginas que não têm cache (como resultados de busca).

9. Limpeza e manutenção

Acelerar o WordPress não é um trabalho a ser feito uma vez só e pronto. É preciso acompanhar.

Acúmulo de lixo no banco de dados e na instalação do próprio WordPress pode comprometer a velocidade e a segurança do seu site.

Além disso, atualizações devem ser feitas com frequência. Isso garante que tudo continuará funcional e com o uso de tecnologias recentes.

Plugin de limpeza

O WP-Optimize é meu plugin favorito para limpeza do WordPress.

A limpeza, nesse caso, é do banco de dados (como remover revisões de posts e comentários não aprovados ou spams). O que já faz muita diferença em termos de espaço em disco e velocidade.

As demais limpezas do WordPress devem ser manuais: remover plugins e temas que não estão sendo utilizados.

Atualizações frequentes

Você já cansou de saber que deve manter o WordPress atualizado sempre.

Manter o projeto inteiro atualizado garante maior segurança e melhor desempenho sempre.

E quando digo projeto inteiro me refiro à hospedagem também. Quanto mais recente for a versão do PHP, mais veloz ela é.

10. Plugin de AMP vale a pena?

Vale a pena se a maior parte dos acessos ao seu site vem do Google (busca orgânica ou notícias) em dispositivos móveis.

Isso porque a versão AMP das páginas do seu site são armazenadas nos servidores do Google e pré-carregadas quando alguém realiza uma busca na qual sua página estará presente.

Funciona assim:

  • Se alguém acessar diretamente a versão AMP de uma página de seu site, não vai fazer muita diferença. Pelo contrário: se a versão oficial do seu site for bem otimizada, a versão AMP pode até ser mais lenta em comparação.
  • Se alguém fizer uma busca no Google e acessar a versão AMP de uma página do seu site através dessa busca, aí sim a página irá carregar em um piscar de olhos.
printscreen de comparação de velocidade da versão AMP
AMP carrega mais rápido quando acessada diretamente pelo Google.

Acima você vê a seguinte comparação:

  1. Versão normal: o tempo de carregamento do meu post, em seu endereço normal, é de aproximadamente 2.6 segundos;
  2. AMP original: já o carregamento da versão AMP original (ou seja, /amp) do meu post leva 3.4 segundos;
  3. AMP via CDN: a versão hospedada pelo Google, quando acessada diretamente, carrega em 3.6 segundos;
  4. AMP via Google: por fim, quando alguém acessa a versão AMP do meu post através de uma busca do Google, o tempo de carregamento é de 0.4 segundo.

O plugin AMP que utilizo é o oficial. É de longe o mais leve e simples.

Se esse assunto te interessou, veja mais detalhes sobre AMP nesse post!

Como testar velocidade e desempenho do WordPress?

Atualmente as alternativas mais confiáveis são duas ferramentas do Google:

Google PageSpeed Insights

Além de mostrar o tempo de carregamento de suas páginas, o PageSpeed Insights ajuda a descobrir problemas de usabilidade e desempenho.

Utilizá-lo é bastante simples:

  1. No campo logo no topo da página, digite a URL que você quer avaliar (sugiro que seja um post) e clique em Analisar. Aguarde alguns segundos.printscreen do Google PageSpeed Insights
  2. Abaixo do campo de busca aparecerá duas abas: Mobile e Desktop. Através delas você pode ver os resultados para cada dispositivo (há diferenças na metodologia de análise).printscreen de resultado no Google PageSpeed Insights
  3. Mais abaixo há a nota total para a página que você analisou (ou seja, não é uma nota para o site inteiro). De 0 a 49 o desempenho é considerado ruim; de 50 a 89 regular; já de 90 a 100 significa que seu site está bem otimizado.printscreen de resultado no Google PageSpeed Insights
  4. Em Dados de campo há um resumo de notas para Principais métricas da web da URL analisada em um período de 28 dias. Ou seja, se você fez otimizações hoje, esses dados só irão ser atualizados dentro de um mês. Idem para o link Mostrar resumo da origem, que analisa o site inteiro.printscreen de dados de campo no Google PageSpeed Insights
  5. Em Dados de laboratório há a avaliação da URL analisada agora. Esses dados podem variar a cada vez que você clica no botão Analisar (passo 1). Também é possível ver alguns printscreens de seu site carregando durante a análise.printscreen de dados de laboratório no Google PageSpeed Insights
  6. Por fim, há Oportunidades e Diagnóstico, com algumas sugestões de melhorias, e Auditorias aprovadas, com tudo que está perfeito em sua página.printscreen de análises no Google PageSpeed Insights

Google Teste Meu Site

printscreen do Google Test My Site

Por fim, o Google Teste Meu Site é ainda mais simples de usar: basta digitar seu domínio onde se pede e após alguns segundos será possível ver um relatório para seu site.

A velocidade é medida com base na rede 4G (ou 3G, se você preferir) em dispositivos móveis. A classificação é a seguinte:

  • Site rápido: 0 a 2,5 segundos
  • Site com velocidade na média: 2,5 a 4 segundos
  • Site lento: acima de 4 segundos

Em alguns casos pode parecer impossível acelerar o WordPress a ponto de o site carregar em menos de 2,5 segundos.

Bom, impossível não é.

printscreen de resultados no think with google - test my site

Basta seguir as dicas desse post, sem tirar nem por!

Créditos das imagens: Freepik, Squoosh e sites citados.

Revisão

Sabe tudo sobre otimização do WordPress? Revise parte do conteúdo abaixo e tire suas dúvidas:

Como deixar o WordPress mais rápido?

Fazer o WordPress carregar mais rápido exige uma hospedagem otimizada, CDN, minificação, cache, um tema bem feito, imagens comprimidas, carregamento adiado para mídias e scripts, cuidado com plugins, terceirizar o armazenamento de mídias e arquivos pesados, e manter tudo atualizado, limpo e livre de bugs.

Quais plugins deixam o WordPress lento?

Os tipos de plugins que podem deixar o WordPress lento são: de estatística (visualização de páginas, contador de acessos, votação com estrelas, curtidas etc.), page builders (WPBakery, Elementor, Divi etc), de slideshows (como Slider Revolution), de anúncios (não oferecem medidas básicas de otimização) e os que funcionam com Ajax (como scroll infinito e chats).

Quais os melhores plugins para acelerar o WordPress?

Os melhores plugins para melhorar a velocidade do WordPress são Redis Object Cache (cache), Autoptimize (minificação e concatenação) CloudFlare (CDN, cache, segurança), Imsanity (redimensionamento de imagens), EWWW Image Optimizer (compressão de imagens) e WP-Optimize (limpeza de banco de dados).

Como encontrar erros e bugs no WordPress?

Para debugar o WordPress é preciso ativar o WP_DEBUG no wp-content.php. Isso fará com que mensagens de erro (se tais erros existirem) apareçam tanto no painel quanto no site.

AMP deixa o WordPress mais rápido?

Sim. O WordPress fica mais veloz com AMP porque a versão é hospedada em servidores do Google e pré-carregada durante as buscas. Então, quando o usuário clicar em seu resultado na SERP, sua página já estará com parte dos recursos carregados, então carregará em poucos milissegundos.

A cópia dos conteúdos e trabalhos deste site não é permitida. Saiba mais clicando aqui!

Quem é Fabio Lobo?

Web designer, desenvolvedor front-end e programador WordPress.

Quem é Fabio Lobo?

Estou há mais de uma década na área. O foco do meu trabalho é em usabilidade, facilidade pro usuário, acessibilidade, SEO e performance.

Também tenho alguns projetos open source, além de prestar consultoria em hospedagem WordPress e criação de conteúdo.

Como posso te ajudar hoje?

Trabalho com consultoria, suporte, manutenção, criação e desenvolvimento.

Fale comigo

Leia também...

...alguns textos que têm a ver com o assunto:

Como melhorar o SEO de seu site visando subir nas buscas

Quer saber como otimizar ainda mais seu site? Saiba como é feito um trabalho de SEO e siga os passos para ter um site melhor indexado.

Como migrar o WordPress: passo a passo

Confira as melhores formas de migrar o WordPress de hospedagem ou plataforma, sem perder nada. Veja dicas para migração do Blogger, Hubspot, contas de e-mails e mais.

Site do zero: da criação ao lançamento

Veja o processo de criação de um site do zero: do rascunho ao layout, do desenvolvimento à hospedagem. E o que fazer depois que o site for para o ar? Tire suas dúvidas!

Deixe seu comentário

Se você deseja um orçamento, entre em contato clicando aqui.

Quero um orçamento